Rebelião partidária afasta Turnbull e dá o sexto primeiro-ministro à Austrália em 11 anos

Eleição de Morrison confirma a instabilidade política que se tem vivido na Austrália. Será o sexto primeiro-ministro em apenas onze anos e o quarto a ser afastado por colegas de partido

O primeiro-ministro australiano Malcolm Turnbull anunciou esta sexta-feira que vai deixar o cargo, após uma semana de tensão no partido, numa ação que classificou de "insurreição" para o derrubar como chefe do Governo. Scott Morrison, que foi eleito líder do Partido Liberal australiano, assumirá o cargo.

"Fiquei impressionado por quantos dos meus colegas falaram ou votaram pela lealdade em vez de deslealdade. Os dissidentes não foram recompensados e o meu sucessor, a quem desejo o melhor, teve êxito", afirmou durante uma conferência de imprensa em Camberra.

Turnbulll falava aos jornalistas depois do Partido Liberal ter aprovado uma mudança na liderança do partido, votando a favor da sua substituição por Scott Morrison, até aqui ministro do Tesouro.

De acordo com a BBC, Turnbulll é o quarto primeiro-ministro a ser demitido internamente em dez anos. Morrison será, assim, o 30.º primeiro-ministro australiano (o sexto em apenas onze anos), confirmando a instabilidade que tem marcado nos últimos anos os dois maiores partidos, Trabalhistas e Liberais.

O atual ministro do Ambiente e Energia, Josh Frydenberg, foi eleito número dois, com ampla maioria.

"Quero agradecer ao povo australiano por tudo o que fizeram, dando-me a oportunidade de ser líder deste grande país", disse Turnbull numa conferência de imprensa em Camberra.

O ainda primeiro-ministro agradeceu à sua número dois e atual ministra dos Negócios Estrangeiros, Julie Bishop, pelo seu "grande trabalho e lealdade".

"Penso que as pessoas ficaram chocadas com esta ação destrutiva deliberada. Havia diferenças, mas as coisas podiam ter-se resolvido", afirmou.

Turnbull disse que continua "otimista e positivo sobre o futuro" da Austrália. "Como uma coligação de Governo progressista fizemos importantes reformas e avanços. (...) Criámos empregos e uma economia forte", salientou.

"Estou orgulhoso do que fizemos em várias áreas", disse, destacando a legalização do casamento homossexual e investimentos em infraestruturas, entre outras medidas, num período de "grandes desafios".

Em causa estará uma discussão sobre políticas energéticas, desencadeada na semana passada, que gerou tensões entre Turnbull e a ala conservadora do partido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.