Rebelião partidária afasta Turnbull e dá o sexto primeiro-ministro à Austrália em 11 anos

Eleição de Morrison confirma a instabilidade política que se tem vivido na Austrália. Será o sexto primeiro-ministro em apenas onze anos e o quarto a ser afastado por colegas de partido

O primeiro-ministro australiano Malcolm Turnbull anunciou esta sexta-feira que vai deixar o cargo, após uma semana de tensão no partido, numa ação que classificou de "insurreição" para o derrubar como chefe do Governo. Scott Morrison, que foi eleito líder do Partido Liberal australiano, assumirá o cargo.

"Fiquei impressionado por quantos dos meus colegas falaram ou votaram pela lealdade em vez de deslealdade. Os dissidentes não foram recompensados e o meu sucessor, a quem desejo o melhor, teve êxito", afirmou durante uma conferência de imprensa em Camberra.

Turnbulll falava aos jornalistas depois do Partido Liberal ter aprovado uma mudança na liderança do partido, votando a favor da sua substituição por Scott Morrison, até aqui ministro do Tesouro.

De acordo com a BBC, Turnbulll é o quarto primeiro-ministro a ser demitido internamente em dez anos. Morrison será, assim, o 30.º primeiro-ministro australiano (o sexto em apenas onze anos), confirmando a instabilidade que tem marcado nos últimos anos os dois maiores partidos, Trabalhistas e Liberais.

O atual ministro do Ambiente e Energia, Josh Frydenberg, foi eleito número dois, com ampla maioria.

"Quero agradecer ao povo australiano por tudo o que fizeram, dando-me a oportunidade de ser líder deste grande país", disse Turnbull numa conferência de imprensa em Camberra.

O ainda primeiro-ministro agradeceu à sua número dois e atual ministra dos Negócios Estrangeiros, Julie Bishop, pelo seu "grande trabalho e lealdade".

"Penso que as pessoas ficaram chocadas com esta ação destrutiva deliberada. Havia diferenças, mas as coisas podiam ter-se resolvido", afirmou.

Turnbull disse que continua "otimista e positivo sobre o futuro" da Austrália. "Como uma coligação de Governo progressista fizemos importantes reformas e avanços. (...) Criámos empregos e uma economia forte", salientou.

"Estou orgulhoso do que fizemos em várias áreas", disse, destacando a legalização do casamento homossexual e investimentos em infraestruturas, entre outras medidas, num período de "grandes desafios".

Em causa estará uma discussão sobre políticas energéticas, desencadeada na semana passada, que gerou tensões entre Turnbull e a ala conservadora do partido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.