Primeiro encontro amoroso de dois tigres da Sumatra acaba com morte de fêmea

Durante dez dias Asim e Melati estiveram perto um do outro mas em locais separados. No primeiro momento juntos e quando os tratadores do Jardim Zoológico de Londres achavam ser possível o acasalamento o macho matou fêmea.

O namoro durou dez dias. Foram mantidos separados, mas tentadoramente próximos para que se pudessem ver, ouvir e cheirar. E quando os "casamenteiros" acharam que estava na hora e no lugar certo - esta sexta-feira no Jardim Zoológico de Londres - um raro tigre de Sumatra chamado Asim e uma fêmea, Melati, foram colocados no mesmo recinto.

Mas todas as esperanças de um acasalamento acabaram rapidamente: Asim matou Melati momentos depois de estarem juntos pela primeira vez. Os tratadores ainda tentaram intervir para evitar a morte da fêmea, mas não o conseguiram, anunciaram os responsáveis do zoo. "Usaram ruídos fortes e alarmes para tentar distrair o casal, mas Asim já tinha dominado Melati", adiantaram. Conseguiram retirar o macho para um outro local, mas os veterinários apenas confirmaram a morte de Melati. "Todos no ZSL London Zoo estamos devastados pela perda de Melati e estamos com o coração despedaçado pelo rumo desta situação", pode ler-se num comunicado divulgado pelo jardim zoológico.

A fêmea tinha dez anos e estava há muito tempo em Londres. Já Asim, de sete anos, tinha chegado ao Reino Unido há dez dias vindo vindo do Ree Park Safari (Dinamarca) num projeto de conservação da espécie tendo sido transportado para o zoo "numa caixa de viagem personalizada, cheia de artigos essenciais para viagens de tigres - palha quente, controle do clima, lanches e bebidas", anunciou na altura em comunicado o jardim zoológico.

Nesse dia a responsável pelos tratadores dos tigres, Kathryn Sanders, descrevia Asim como "um gato bonito e confiante que é conhecido por ser muito carinhoso com as fêmeas na sua vida - nós esperamos que ele seja o companheiro perfeito para a nossa linda Melati".

Esta união dos dois tigres de Sumatra foi organizada como parte de um programa de conservação na Europa para esta subespécie ameaçada de extinção. O tigre de Sumatra existe em estado selvagem somente na ilha indonésia de Sumatra, e o Fundo Mundial para a Natureza diz que existem atualmente cerca 400, quando em 1978 existiriam mil.

Os responsáveis do zoo estavam otimistas quanto à possibilidade de os dois animais se darem bem. No início desta tentativa de acasalamento diziam, segundo o The New York Times: "Ainda é cedo, mas já vimos alguns bons sinais. É fantástico ver que eles já estão interessados um no outro."

Porém, tudo acabou por correr muito mal. Os tigres foram colocados no mesmo recinto depois de um "monitoramento cuidadoso", garantiu o zoo frisando que os especialistas "observaram sinais positivos óbvios e sentiram que era a hora certa". "Como acontece com todos os grandes felinos, as introduções, por mais cuidadosamente planeadas, são sempre consideradas de alto risco". Os animais "foram inicialmente cautelosos", mas depois a introdução "rapidamente se transformou numa interação mais agressiva" até que Asim matou Melati. A área dedicada aos tigres foi fechada na sexta-feira e os tratadores estão focados em cuidar do macho.

O jardim zoológico de Londres, no Regent's Park, foi inaugurado em 1800, tem mais de 20 mil animais e recebe mais de um milhão de visitantes por ano e há dois anos foi atingido por um incêndio que matou um porco-formigueiro de 9 anos chamado Misha. Nesse dia, metade do zoológico, uma loja de souvenirs e um café foram destruídos. Desapareceram também quatro suricatas que foram consideradas mortas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.