Conselho de Ministros do Governo de Pedro Sánchez reúne-se esta sexta-feira

O executivo espanhol reúne-se pela primeira vez e vai dar início à ação governativa

O Conselho de Ministros do Governo de Pedro Sánchez, que o definiu como europeísta, reúne-se esta sexta-feira pela primeira vez, para iniciar a ação governativa que pretende "transformar e modernizar" o país e resolver "urgências sociais".

Com um elenco em que as mulheres constituem a maioria, o Governo tem ainda o objetivo de "favorecer a coesão social e territorial" que considera ter sido afetada por quase seis anos e meio do executivo liderado por Mariano Rajoy.

O executivo presidido pelo líder do Partido Popular (PP) - dias depois, Rajoy demitiu-se do partido, depois de uma ligação de mais de três décadas - foi derrubado por uma moção de censura construtiva, depois de Sanchez, presidente do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), ter reunido os apoios necessários.

O novo executivo vai governar até 2020 (as eleições são em 2019) com um Orçamento de Estado que o PSOE não votou favoravelmente, mas que o executivo de Sánchez, com 11 mulheres e seis homens, tem o objetivo de não romper o princípio da estabilidade orçamental e cumprir as "obrigações europeias".

A equipa de Pedro Sánchez - que recuperou o Ministério da Cultura e instituiu os da Ciência, Cultura e Indústria e do Comércio e Turismo - tem um perfil mais tecnocrata do que político e, segundo os analistas, agrada mais à direita do que à esquerda.

As grandes reformas que Sánchez defende que o país precisa serão difíceis de concretizar porque o PSOE tem apenas 84 deputados num total de 350, dependendo do Unidos Podemos (67 deputados) e outros movimentos mais pequenos e de caráter regional, como os nacionalistas bascos e os separatistas catalães.

Por isso, para fazer passar medidas, o Governo terá como alternativa aprovar diretamente "reais decretos", não necessitando de apresentá-los no parlamento como "reais decretos-leis".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.