Primeiro ataque mortal de tubarão em Cape Cod desde 1936

Jovem de 26 anos foi levado para o hospital, mas não resistiu aos ferimentos. Este ano, dispararam os avistamentos de tubarões brancos na zona

É o primeiro ataque fatal de tubarão em Massachusetts desde 1936. Um surfista de 26 anos estava a fazer bodyboard, este sábado, em Newcomb Hollow Beach, Cape Cod, quando foi atacado por um tubarão branco. Ainda foi assistido no areal, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no hospital. "Foi como estar dentro do filme 'Tubarão", de repente estávamos em Amity Island", descreveu uma testemunha.

Michael Hurley, tenente da polícia de Wellfleet, disse que o homem, Arthur Medici, residente em Massachusetts, sucumbiu aos ferimentos após o ataque, que aconteceu cerca do meio-dia de sábado.

"As medidas de salvamento foram feitas ainda na praia", disse o porta-voz da polícia, David Procopio, através de um email citado pelo The Guardian. Por agora, as autoridades, que estão a investigar o incidente, disseram que vão manter "todas as pessoas fora de água".

Joe Booth, um pescador local e surfista, disse que viu o homem, que estava na água com um amigo, pontapear agressivamente algo que surgiu repentinamente atrás dele. Só percebeu o que tinha acontecido quando viu o amigo a arrastar o o surfista ferido pela areia.

"Eu era aquela pessoa na praia a gritar" Tubarão, tubarão! ", contou Booth. "Foi como estar dentro do filme 'Tubarão", de repente estávamos em Amity Island", descreveu. Ele, e outras pessoas que estavam no areal tentaram fazer um torniquete ao surfista ferido, enquanto outros ligaram para o 911.

É o segundo ataque no espaço de um mês

Hayley Williamson, residente em Cape Cod e ex-nadador- salvador, disse que também ele tinha estado a surfar com amigos durante a manhã. "Estavam no sítio errado à hora errada" comentou, sobre os surfistas atacados.

O mês passado, um nova-iorquino foi atacado por um tubarão branco em Cape Cod. Foi o primeiro ataque conhecido desde 2012 na mesma zona. William Lytton, um neurologista de 61 anos, sofreu lacerações profundas na perna e no tronco, mas conseguiu libertar-se ao perfurar o tubarão nas guelras. Ainda está no hospital a recuperar dos graves ferimentos.

Os cientistas alertam para o aumento do número de tubarões desta espécie que se têm estado a dirigir para as águas da baía norte-americana. Os avistamentos de tubarões brancos em Cape Cod dispararam este ano e os especialistas pensam que isso se deve ao aumento dos número de focas perto das praias da região, diz a BBC.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.