Primeira ministra da Nova Zelândia igual a todos os pais: "Multitasking"

Jacinda Ardern foi mãe a 21 de junho e usou o Facebook para anunciar que vai regressar ao trabalho em breve. Para já diz não ter rotinas, tal como a filha Neve

Jacinda Ardern, a primeira ministra da Nova Zelândia, anunciou que vai voltar ao trabalho brevemente depois de ter sido mãe. O anúncio foi feito num vídeo feito em casa.

Arden começou a licença de maternidade a 17 de junho, tendo a filha Neve Te Aroha Ardern Gayford nascido a 21 de junho.

O vídeo onde surge a primeira ministra da Nova Zelândia foi publicado este domingo ao final da tarde.

O vídeo de Ardern surgiu após o líder do partido Nacional, na oposição, Simon Bridges ter divulgado um vídeo onde surge com a sua mulher, Natalie, e imagens dos tempos em que namoravam, na Universidade de Oxford, e atuais com os seus três filhos.

Após a divulgação do vídeo da primeira ministra muitos analistas políticos disseram que este teve como objetivo mostrar que ela está pronta para voltar a assumir funções, aliás como mostra o título da gravação: "A quick hello as we get ready to come back.["Um rápido olá enqaunto nos preparamos para voltar"]"

Na mensagem Jacinda Arden garante que a par das questões relacionadas com a governação e sem rotinas. Garante mesmo que consegue fazer várias coisas ao mesmo tempo. "Sou multitasking, tal como todos os pais."

Adiantou que quando regressar ao trabalho vai dedicar a primeira semana em questões que "são importantes para mim", o seja a saúde mental, meio ambiente, temas relacionados com o comércio e prometeu um "anúncio relacionado com o emprego".

Garantiu também que manteria um contacto mais próximo com os neozelandeses de forma a partilhar a sua vida "que será, obviamente, um pouco diferente".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.