Presos combatem fogos por 2 dólares à hora na Califórnia

Nos piores incêndios da história da Califórnia, há presos a combater as chamadas, juntamente com os bombeiros. Os perigos que enfrentam são muito semelhantes. Mas o salário não é o mesmo. Algo que está a suscitar debate

Mais de dois mil presos a cumprir pena, entre eles 58 jovens condenados por crimes, estão a combater as chamas juntamente com 14 mil bombeiros naqueles que são os piores incêndios de sempre no estado norte-americano da Califórnia.

O cansaço, o risco e o perigo que enfrentam uns e outros no combate aos fogos são muito semelhantes. Mas o pagamento não é o mesmo. Os presos, homens e mulheres, ganham 2 dólares à hora e, se o incêndio estiver ativo no momento, ganham mais 1 dólar por cada hora de trabalho.

Os bombeiros ganham 11 dólares à hora e 16,50 dólares à hora se estiverem já a trabalhar a fazer horas extraordinárias, segundo dados do Departamento de Florestas e Proteção contra Incêndios da Califórnia citados pelo jornal Independent.

A participação destes condenados no combate aos incêndios permitiu ao governo do estado poupar entre 90 a 100 milhões de dólares por ano, declarou o porta-voz do Departamento de Correção e Reabilitação da Califórnia, Bill Sessa, à KQED, filial da PBS na Califórnia.

Sessa lembrou que o programa é de participação voluntária, que os presos têm treino específico de combate a incêndios, que não participam condenados por crimes pesados como o de abusos sexuais e que a participação de presos no combate a fogos remonta à II Guerra Mundial, quando havia poucos homens no Departamento de Florestas e Proteção contra Incêndios da Califórnia, por causa da mobilização para o conflito.

Mesmo assim, as críticas, pela desigualdade nos salários não se fizeram esperar. "Isto é absolutamente desumano. Tem que haver uma grande mudança para que as pessoas sejam tratadas de forma justa", declarou Clarise McCants, diretora de campanha do grupo Colour of Change, igualmente citada pelo jornal Independent.

Gayle McLaughlin, ex-candidata a vice-governadora da Califórnia, ex-membro do Partido Verde, classificou, o ano passado, como trabalho escravo o uso de presos no combate aos incêndios por valores muito inferiores aos que são pagos aos bombeiros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.