Preso executado no estado do Texas por matar mulher

O crime, cometido em 1992, foi a troco do pagamento de menos de dois mil euros

O estado norte-americano do Texas executou esta quarta-feira um preso hispânico que estava condenado à morte pelo homicídio de uma mulher em 1992 em troca de 2000 dólares (cerca de 1900 euros) pagos pelo marido da vítima.

Rolando Ruiz, de 44 anos, foi declarado morto às 23.06 horas (6.06 em Lisboa), após receber uma injeção letal na prisão de Huntsville, segundo o Departamento de Justiça Criminal do Texas.

Os juízes do Tribunal Supremo rejeitaram minutos antes da execução um recurso dos advogados de Ruiz que argumentavam que os 22 anos que o condenado já tinha passado na prisão já eram castigo suficiente. O recurso adiou por mais de cinco horas a execução.

Theresa Rodriguez, a vítima do caso em questão, foi assassinada depois de o marido, Michael Rodriguez, ter decidido o homicídio para cobrar os 250 mil dólares (237 mil euros) do seguro de vida e de ter contrato Ruiz para cometer o crime.

Ruiz é o quinto preso executado este ano nos Estados Unidos. Desde que foi reintroduzida a pena de morte, há quatro décadas, foram executados 1.447 presos, 541 dos quais no Texas, ou mais de 37%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.