Preso executado no estado do Texas por matar mulher

O crime, cometido em 1992, foi a troco do pagamento de menos de dois mil euros

O estado norte-americano do Texas executou esta quarta-feira um preso hispânico que estava condenado à morte pelo homicídio de uma mulher em 1992 em troca de 2000 dólares (cerca de 1900 euros) pagos pelo marido da vítima.

Rolando Ruiz, de 44 anos, foi declarado morto às 23.06 horas (6.06 em Lisboa), após receber uma injeção letal na prisão de Huntsville, segundo o Departamento de Justiça Criminal do Texas.

Os juízes do Tribunal Supremo rejeitaram minutos antes da execução um recurso dos advogados de Ruiz que argumentavam que os 22 anos que o condenado já tinha passado na prisão já eram castigo suficiente. O recurso adiou por mais de cinco horas a execução.

Theresa Rodriguez, a vítima do caso em questão, foi assassinada depois de o marido, Michael Rodriguez, ter decidido o homicídio para cobrar os 250 mil dólares (237 mil euros) do seguro de vida e de ter contrato Ruiz para cometer o crime.

Ruiz é o quinto preso executado este ano nos Estados Unidos. Desde que foi reintroduzida a pena de morte, há quatro décadas, foram executados 1.447 presos, 541 dos quais no Texas, ou mais de 37%.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.