"Presidential alert". Trump vai mandar SMS para todos os americanos

Administração vai testar um sistema de alertas que será usado em caso de emergências nacionais

A mensagem vai ter como antetítulo "Presidential alert", ou seja, alerta presidencial, e os telemóveis vai fazer um som agudo e uma vibração especial quando a receberem. Na próxima quinta-feira, a FEMA (Federal Emergency Management Agency) vai enviar um SMS para os telemóveis de todos os americanos em nome do presidente Trump. Este será um teste para um novo sistema de alerta a ser usado nos EUA em caso de emergências nacionais.

Com os EUA em alerta devido à passagem do furacão Florence pelas Carolinas do Norte e do Sul, o teste está marcado para quinta-feira às 14:18 (menos cinco horas em Lisboa).A essa hora, todos os americanos com telemóvel vão receber a seguinte mensagem: "ISTO É UM TESTE do Sistema de Alerta sem Fios de Emergência Nacional. Não é necessária qualquer ação".

A ideia é garantir que o sistema funciona em caso de emergência nacional.

Lei de 2016

A lei que permite aos presidentes enviar alertas para todos os americanos em caso de emergência nacional foi assinada em 2016 por Barack Obama.

Desde que foi criado, em 2012, o Sistema de Alerta sem Fios de Emergência Nacional já foi usado 36 mil vezes, em casos tão diversos quanto crianças desaparecidas, fenómenos meteorológicos extremos ou catástrofes naturais. Mas nunca transmitiu uma mensagem presidencial. No caso do desaparecimento de crianças ou de catástrofes naturais, os detentores dos telemóveis podem optar por não abrir a mensagem. Tal opção não existe no caso dos alertas presidenciais.

A FEMA já explicou que estes alertas apenas podem ser usados para emergências nacionais, Caberá ao presidente determinar quando é que é esse o caso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.