Irão escolheu a via do "entendimento com o mundo"

Reeleito presidente, Hassan Rohani, defendeu que os iranianos "disseram não aos que queriam voltar para trás"

O presidente do Irão, Hassan Rohani, reeleito para um segundo mandato de quatro anos, considerou hoje que os iranianos escolheram a via do "entendimento com o mundo" e recusaram um regresso a um passado de isolamento internacional.

"A mensagem do nosso povo foi claramente expressada", disse, numa intervenção transmitida pela televisão, Hassan Rohani, reeleito na sexta-feira à primeira volta com 57% dos votos.

Rohani, um clérigo moderado, conseguiu quebrar o isolamento do país e foi sob a sua gestão que, em 2015, o Irão concluiu um acordo nuclear com as potências internacionais.

"O povo iraniano escolheu a via do entendimento com o mundo, longe do extremismo. Quer viver em paz e amizade com o resto do mundo, mas não aceita a ameaça e a humilhação. É a principal mensagem que quer que o mundo ouça", afirmou.

Com o seu voto, o povo iraniano "declarou aos países vizinhos e a toda a região que o caminho para a segurança é o reforço da democracia, e não o apoio de potências estrangeiras", acrescentou.

Numa alusão aos conservadores, sem contudo nomear o seu principal adversário, Ebrahim Raissi, o presidente afirmou que os iranianos "disseram não aos que queriam voltar para trás".

Rohani apresentou-se como presidente de "todos os iranianos".

Apoiado na campanha por destacadas personalidades reformadoras, Rohani agradeceu nesta intervenção o apelo ao voto na sua candidatura feito pelo ex-presidente Mohammad Khatami.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.