Presidente executivo da CBS investigado por assédio sexual

Les Moonves está a ser acusado por seis mulheres de assédio sexual e intimidação, revela a investigação do jornal "The New Yorker"

Os casos de escândalo sexual nos EUA têm agora um novo nome. Les Moonves, de 68 anos, presidente executivo da CBS, é acusado por seis mulheres de assédio sexual e intimidação e de outras formas de abuso por dezenas de alegadas vítimas, revela a investigação do jornal The New Yorker . A cadeia de televisão norte-americana já está a investigar o caso.

"O que aconteceu comigo foi uma agressão sexual e fui demitida por não participar"

Quatro mulheres denunciaram "toque forçado" ou "beijos"não solicitados durante reuniões, num comportamento que dava a entender que seria algo rotineiro" e duas mulheres afirmaram que Moonves as intimidou fisicamente, tendo ameaçado prejudicar as suas carreiras, lê-se no artigo assinado por Ronan Farrow, que venceu no início deste ano o prémio Pulitzer com o The New York Times pelo trabalho sobre as acusações de assédio sexual contra o produtor de Hollywood, Harvey Weinstein.

"Reconheço que houve momentos em que posso ter feito com que algumas mulheres se sentissem desconfortáveis ao fazer esses avanços"

"O que aconteceu comigo foi uma agressão sexual e fui demitida por não participar", denunciou a atriz e escritora Illeana Douglas a Farrow, que no artigo cita várias mulheres que terão sido vítimas ou que testemunharam os alegados casos de assédio sexual e de intimidação de Moonves, que terão ocorrido entre a década de 80 e o início dos anos 2000.

A produtora Christine Peters, por exemplo, conta que o presidente da CBS colocou a mão debaixo da sua saia durante uma reunião. "Fiquei em estado de choque", recorda. Já a escritora Janet Jones alega que Moonves a tentou beijar à força, também numa reunião de trabalho.

Na investigação, todas as alegadas vítimas consideram que foram prejudicadas na carreira por recusarem os avanços do presidente da CBS.

Moonves assume "erros"

Um nome poderoso nos media norte-americanos, Les Moonves admite que cometeu "erros" no passado. "Reconheço que houve momentos em que posso ter feito com que algumas mulheres se sentissem desconfortáveis ao fazer esses avanços. Foram erros e eu lamento-os profundamente. Mas sempre entendi e respeitei que 'não' significa 'não' e nunca usei a minha posição para prejudicar ou atrapalhar a carreira de alguém", afirmou numa declaração enviada à CBS.

CBS tomará as medidas adequadas após investigação

Aliás, a cadeia de televisão norte-americana já fez saber que Moonves está a ser investigado por alegações de má conduta e que irá tomar "as medidas adequadas" caso seja necessário. "Todas as alegações de má conduta devem ser levadas a sério. Os diretores independentes da CBS comprometeram-se a investigar alegações que violam as políticas claras da empresa. Após a conclusão dessa investigação, o conselho [de administração] tomará as medidas adequadas", lê-se no comunicado que a estação divulgou.

Após a publicação das acusações, a mulher de Les Moonves garante que o marido é um "bom homem e pai amoroso". "Sempre foi um ser humano gentil, decente e moral. Eu apoio totalmente o meu marido", escreveu Julie Chen no Twitter.

Curiosamente, Les Moonves foi uma das vozes que se manifestou a favor do movimento #MeToo, que surgiu após as denuncias de abuso sexual que visavam o produtor de Hollywood Harvey Weinstein. Conta o The New Yorker que o presidente da CBS chegou mesmo a ajudar a fundar uma comissão para a eliminação do assédio sexual no local de trabalho, que também promovia a igualdade de género.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?