Presidente dos Estados Unidos goza de "excelente saúde"

Donald Trump, de 71 anos, goza de "excelente saúde, informou na sexta-feira a Casa Branca, citando o médico que supervisionou o primeiro exame desde que chegou ao poder, há cerca de um ano.

"A visita médica de hoje do Presidente ao hospital militar nacional de Walter Reed decorreu extremamente bem. O Presidente está em excelente saúde", declarou esta sexta-feira o médico Ronny Jackson, que anteriormente estava encarregado do predecessor democrata Barack Obama desde 2013.

Jackson deverá dar pormenores sobre o exame médico na terça-feira, mas estes deverão limitar-se ao peso, à tensão arterial e à taxa de colesterol.

Apesar dos detratores se interrogarem abertamente sobre a saúde mental, hoje não estava previsto qualquer exame psiquiátrico ao Presidente norte-americano, que recentemente se considerou um "génio estável".

O presidente dos Estados Unidos não tem qualquer obrigação de se submeter a um exame médico nem de tornar público os resultados do mesmo, mas esta prática tornou-se uma tradição.

Trump, o mais velho da história norte-americana a aceder à presidência dos Estados Unidos, segue assim os passos dos seus predecessores.

Durante a campanha, o médico pessoal, Harold Bornstein, assegurou que Donald Trump seria "o individuo mais saudável alguma vez eleito para a presidência".

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.