Presidente do Peru promete libertar Fujimori para evitar destituição

Alberto Fujimori, que dirigiu o país na década de 1990, está preso desde 2007. Foi condenado por violação de direitos humanos.

"Foi Alberto Fujimori quem salvou a vida" ao presidente Pedro Pablo Kuczynski, disse ontem um politólogo peruano ao diário La Tercera, de Lima, para explicar o resultado da votação no Parlamento em que se discutia a sua destituição por "incapacidade moral permanente". Kuczynski, mais conhecido pelas iniciais do seu nome, PPK, era acusado de ter ocultado as ligações com a empresa de construção brasileira Odebrecht, no centro de um escândalo de corrupção que envolve vários países da América do Sul.

A moção para a destituição foi apresentada pela principal formação no Congresso (designação formal do Parlamento), Força Popular (FP), dirigido por Keiko Fujimori, filha de Alberto Fujimori, presidente do Peru entre 1990 e 2000. Fujimori foi condenado em 2007 por buscas ilegais e, dois anos depois, por autoria moral de uma série de mortes e raptos no quadro da luta do seu governo contra a guerrilha de extrema-esquerda do Sendero Luminoso e do Tupac Amaru. Cumpre atualmente uma pena de 25 anos.

Para PPK ser destituído era necessário o voto de, pelo menos, 87 dos 130 deputados que compõem o Congresso, um resultado que até ao dia anterior era dado como adquirido. No final, houve apenas 80 votos a favor, 19 contra e 21 abstenções. Mas o dado-chave foi a ausência de dez eleitos da Força Popular, de uma fação oposta a Keiko Fujimori, a quem o governo teria prometido a libertação do pai de Keiko, disse à Reuters Cecilia Falcon, que integra aquela fação. Figura central de toda a manobra política que salvou PPK da destituição, terá sido o irmão de Keiko, Kenji. Este dirige a organização de juventude do FP e tem criticado algumas das orientações da irmã, considera Fernando Tuesta, o politólogo ouvido pelo La Tercera. É este ainda que afirma "caminhar-se e de maneira irreversível" para a libertação de Alberto Fujimori, através de "um indulto humanitário ou de uma comutação de pena". A particular época do ano que se vive ou a visita do Papa Francisco logo no início do ano, além da idade do antigo presidente (79 anos) poderiam ser invocadas como argumento, pensa Tuesta.

Ao conhecer o resultado, PPK veio à rua saudar os apoiantes reunidos diante de sua casa em Lima e deixou no Twitter uma mensagem, garantindo que começa "um novo capítulo: o da reconciliação".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.