Presidente do Peru promete libertar Fujimori para evitar destituição

Alberto Fujimori, que dirigiu o país na década de 1990, está preso desde 2007. Foi condenado por violação de direitos humanos.

"Foi Alberto Fujimori quem salvou a vida" ao presidente Pedro Pablo Kuczynski, disse ontem um politólogo peruano ao diário La Tercera, de Lima, para explicar o resultado da votação no Parlamento em que se discutia a sua destituição por "incapacidade moral permanente". Kuczynski, mais conhecido pelas iniciais do seu nome, PPK, era acusado de ter ocultado as ligações com a empresa de construção brasileira Odebrecht, no centro de um escândalo de corrupção que envolve vários países da América do Sul.

A moção para a destituição foi apresentada pela principal formação no Congresso (designação formal do Parlamento), Força Popular (FP), dirigido por Keiko Fujimori, filha de Alberto Fujimori, presidente do Peru entre 1990 e 2000. Fujimori foi condenado em 2007 por buscas ilegais e, dois anos depois, por autoria moral de uma série de mortes e raptos no quadro da luta do seu governo contra a guerrilha de extrema-esquerda do Sendero Luminoso e do Tupac Amaru. Cumpre atualmente uma pena de 25 anos.

Para PPK ser destituído era necessário o voto de, pelo menos, 87 dos 130 deputados que compõem o Congresso, um resultado que até ao dia anterior era dado como adquirido. No final, houve apenas 80 votos a favor, 19 contra e 21 abstenções. Mas o dado-chave foi a ausência de dez eleitos da Força Popular, de uma fação oposta a Keiko Fujimori, a quem o governo teria prometido a libertação do pai de Keiko, disse à Reuters Cecilia Falcon, que integra aquela fação. Figura central de toda a manobra política que salvou PPK da destituição, terá sido o irmão de Keiko, Kenji. Este dirige a organização de juventude do FP e tem criticado algumas das orientações da irmã, considera Fernando Tuesta, o politólogo ouvido pelo La Tercera. É este ainda que afirma "caminhar-se e de maneira irreversível" para a libertação de Alberto Fujimori, através de "um indulto humanitário ou de uma comutação de pena". A particular época do ano que se vive ou a visita do Papa Francisco logo no início do ano, além da idade do antigo presidente (79 anos) poderiam ser invocadas como argumento, pensa Tuesta.

Ao conhecer o resultado, PPK veio à rua saudar os apoiantes reunidos diante de sua casa em Lima e deixou no Twitter uma mensagem, garantindo que começa "um novo capítulo: o da reconciliação".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?