Presidente do Parlamento Europeu quer que Mark Zuckerberg vá depor a Estrasburgo

Antonio Tajani exige a presença do CEO da rede social Facebook no Parlamento Europeu

O presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, exigiu que o líder da Facebook, Mark Zuckerberg, vá explicar pessoalmente aos deputados europeus a utilização de dados pessoais dos milhões de utilizadores desta rede social.

"Todos os grupos políticos insistem na necessidade absoluta da sua presença pessoal, como foi o caso no congresso dos EUA", escreveu Tajani em mensagem dirigida a Zuckerberg, a que a agência AFP teve acesso.

Tajani já tinha convidado o dirigente da Facebook a exprimir-se perante os representantes dos 500 milhões de europeus.

O convite foi feito em 20 de março, depois de se conhecer o escândalo Cambridge Analytica, nome da sociedade que explorou para seu proveito os dados pessoais de dezenas de milhões de utilizadores do Facebook.

Mas Zuckerberg, que testemunhou durante dez horas perante os congressistas norte-americanos na semana passada, propôs que fosse o seu vice-presidente encarregado das relações públicas, Joel Kaplan, a reunir-se com os deputados europeus.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Tempo de fugir de casa para regressar à terra

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.