Caso de corrupção leva à demissão do Presidente de tribunal de contas

O responsável está a ser acusado no 'caso Lezo', pela sua participação na compra, alegadamente fraudulenta, da companhia Inassa por parte da empresa colombiana Canal de Isabel II, em 2001

O presidente do tribunal de contas da região de Madrid (que fiscaliza o setor público), Arturo Canalda, demitiu-se do seu cargo depois de, na quarta-feira, ter sido citado na qualidade de investigado num caso de corrupção.

O responsável está a ser acusado no 'caso Lezo', pela sua participação na compra, alegadamente fraudulenta, da companhia Inassa por parte da empresa colombiana Canal de Isabel II, em 2001.

A empresa Canal de Isabel II é uma empresa pública espanhola que faz a gestão do ciclo integral da água em quase toda a região de Madrid.

Canalda, que foi diretor da Canal, apresentou hoje a sua renúncia na Assembleia de Madrid, segundo informaram à agência de notícias espanhola EFE fontes do parlamento regional.

Precisamente hoje, foi convocada pela manhã uma reunião do conselho do tribunal de contas da comunidade de Madrid.

O juiz da Audiência Nacional Diego de Egea anunciou, na quarta-feira, cerca de 20 pessoas como investigados no 'caso Lezo', para clarificar as alegadas irregularidades na compra em 2001 da empresa colombiana Inassa por parte da Canal de Isabel II.

Entre as pessoas investigada figuram dois ex-conselheiros do antigo presidente da câmara de Madrid, Alberto Ruiz-Gallardón (Juan Bravo e Pedro Calvo), Canalda, entre outros.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.