Presidente de Israel vai assinar lei Estado-Nação em árabe em sinal de protesto

Legislação consagra o país como uma nação judaica

O presidente de Israel, Reuven Rivlin, disse que não pode negar-se a assinar a polémica lei Estado-Nação -- que concede o direito de autodeterminação apenas aos judeus --, mas que a rubricará em árabe para exprimir a sua oposição.

A nova lei retira o estatuto de uma das línguas oficiais de Israel ao árabe, que fica como tendo "caráter especial", mas, segundo os media, Rivlin vai recorrer a ela para assinar a lei numa crítica implícita.

"O Estado de Israel é um Estado judeu e democrático, que é uma e a mesma coisa. Esta sábia e delicada equação é o segredo da existência e do êxito do Estado", declarou o chefe do Estado, segundo a rádio pública Kan.

Rivlin indicou que o governo israelita é responsável pelos jovens do país, "judeus e não judeus de igual modo", que devem ter "igualdade de oportunidades para realizar os seus sonhos" e "sentir que pertencem, que fazem parte, que o Estado é o seu lar".

O presidente, que tem poderes sobretudo simbólicos, já tinha criticado a lei quando esta ainda estava em discussão no Parlamento, considerando-a discriminatória.

Numa carta aberta divulgada por media israelitas a 10 de julho, Rivlin considerava que a lei "poderá prejudicar o povo judeu no mundo e em Israel e poderá mesmo constituir uma arma para os (seus) inimigos".

"Queremos apoiar a discriminação e a exclusão de homens e mulheres devido à sua origem étnica?", questionava.

A lei, que foi aprovada a 19 de julho com 62 votos a favor, 55 contra e duas abstenções, consagra Israel como nação judaica, "lar nacional" do povo judaico e o hebraico como única língua oficial.

O país tem 17,5% de cidadãos árabes israelitas.

Líderes da comunidade drusa e três deputados apresentaram um recurso contra a lei por a considerarem discriminatória perante o Supremo Tribunal.

O Parlamento israelita foi convocado para se reunir a 8 de agosto em sessão extraordinária sobre a controversa lei a pedido de 52 deputados (num total de 120).

O debate deverá centrar-se na "lei da nacionalidade e nos seus ataques aos valores da igualdade e da democracia", indicaram aqueles deputados da oposição.

A lei Estado-Nação inclui-se nas leis básicas que valem como a Constituição em Israel.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.