Presidente de Cabo-Verde nega mal-estar com a Guiné-Equatorial na cimeira da CPLP

Jorge Carlos Fonseca garantiu que não foi apresentada mais nenhuma candidatura, além da de Angola, para presidir a CPLP a seguir a Cabo Verde, ou seja, em 2020.

O presidente cabo-verdiano, Jorge Carlos Fonseca, garantiu esta quarta-feira que a proposta de Angola assumir a presidência da CPLP em 2020 foi feita por Cabo Verde e secundada por Portugal.

Em conferência de imprensa, no final da XII cimeira da CPLP, Jorge Carlos Fonseca negou que tenha havido qualquer mal-estar com a Guiné Equatorial, afirmando que a proposta de presidência angolana foi aprovada por aclamação, inclusive com o apoio do presidente guineense Teodoro Obiang.

"Houve uma candidatura que foi proposta que foi a de Angola, Angola aceitou e foi a proposta aceite por unanimidade e, se me lembro bem, até por aclamação. Portanto, não houve, durante a reunião restrita, nenhuma outra candidatura. Pronunciaram-se alguns chefes do Estado, o presidente de Angola [João Lourenço] agradeceu e aplaudimos. Não houve nenhuma outra proposta. Relativamente ao presidente da Guiné-Equatorial, era para regressar logo ontem à noite e fez questão de estar presente ainda hoje de manhã na reunião restrita. Ele mesmo apoiou a escolha de Angola para acolher a próxima cimeira", declarou aos jornalistas o chefe do Estado cabo-verdiano, anfitrião da XII cimeira da CPLP, que decorreu terça e quarta-feira na ilha do Sal.

Na reunião restrita também foi abordada a situação na Guiné-Equatorial e o cumprimento do seu roteiro de adesão à CPLP, a qual aconteceu em 2014. Jorge Carlos Fonseca afirmou que Obiang, no poder na ex-colónia espanhola desde 1979, deu informações sobre o progressos em termos de promoção da língua portuguesa e integração na comunidade, mas sem fazer nenhuma referência à questão da abolição da pena de morte. Apesar de ter parado as execuções, a Guiné-Equatorial continua com a pena capital inscrita na sua Constituição.

"Não houve nenhuma referência específica. Falou-se do contexto político, da democracia, do estado de Direito, que os pilares fundamentais do estado de Direito e da CPLP são os direitos fundamentais, liberdade, etc,..", confirmou o presidente de Cabo Verde aos jornalistas, no final da cimeira de chefes do Estado e do Governo no Sal.

Durante a cimeira foi ainda aprovado o nome do diplomata português Francisco Ribeiro Telles, ex-embaixador em capitais como Luanda e Brasília como o próximo secretário executivo da CPLP, funções que comerá a exercer em janeiro do próximo ano.

Na ilha do Sal,
Cabo Verde

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.