Presidente de bairro parisiense declara guerra aos ratos

O presidente do 17º bairro de Paris lançou um site para acabar com os ratos na cidade

O presidente de um dos principais bairros de Paris, Geoffroy Boulard, lançou hoje na internet uma 'guerra' aos ratos, face à praga dos roedores que nos últimos anos tem ameaçado a capital francesa.

No site 'Signalerunrat.paris' ("localizar um rato" em tradução livre), Boulard pediu aos residentes do bairro 17º de Paris ajuda para indicar as localizações dos ratos que encontrarem, prometendo "que cada denúncia será conduzida para os serviços centrais da presidente da Câmara de Paris".

Boulard acusa a presidente da Câmara de Paris, Anne Hidalgo, de não se ter "dado conta da dimensão da situação", apesar de os ratos se estarem a multiplicar.

"Foi o caso da infestação do pátio de uma creche que me convenceu de que devíamos tentar outra coisa" afirmou Boulard ao jornal 'Le Parisien', em que surge numa fotografia, de luvas cirúrgicas, a agarrar dois ratos mortos pelas caudas.

O presidente do bairro alertou para o "problema de segurança" na capital, prevendo que o número das queixas deve aumentar com a chegada do bom tempo.

Nos últimos três anos andámos a viver, comer e dormir com roedores, é um inferno

Nas dezenas de avisos publicados no site no primeiro dia da sua criação, os residentes da área queixam-se de "ratos no relvado do parque", uma "escola secundária infestada" e "roedores a vaguear silenciosamente".

"Nos últimos três anos andámos a viver, comer e dormir com roedores, é um inferno, ninguém está a agir", publicou um residente.

"Há cada vez mais e mais deles com tamanhos enormes. Emergência", escreveu outro residente.

Segundo peritos, já existem mais ratos em Paris do que residentes, que já são 2,2 milhões.

Em março de 2017, Anne Hidalgo lançou um programa de 1,5 milhões de euros de desinfestação de ratos, assinalando que "os roedores voltaram, infestando parques e jardins".

A infestação de Paris pelos ratos não é um problema recente, mas que atingiu um outro nível quando os roedores foram retirados em massa das suas casas durante as fortes chuvas na cidade no início do ano, uma das piores cheias registadas no último século.

Na Internet, inúmeros vídeos denunciam a situação, mas também 25.000 pessoas assinaram uma petição para parar o com "genocídio dos ratos".

Ler mais

Exclusivos