João Lourenço admite que questão de migrações envergonha África

O presidente de Angola afirmou esta quarta-feira em Estrasburgo que a questão dos fluxos migratórios são motivo "de vergonha"

O presidente angolano, João Lourenço, considera "uma vergonha" o que se está a passar no Mediterrâneo.

A falar em Estrasburgo, à margem do discurso perante o Parlamento Europeu, o presidente angolano, João Lourenço disse que África precisa de soluções duradouras, esperando um contributo da União Europeia a esse nível.

"Soluções duradouras são aquelas que garantam o desenvolvimento do continente, a criação de emprego, a criação de riqueza, de maior estabilidade", nomeou, considerando que "isso só se consegue num quadro multilateral e tendo a consciência de que é uma solução que não se vai encontrar ao fim de dois [ou] três anos".

O presidente angolano admite que Portugal também pode dar um contributo, com determinado tipo de investimento, nomeadamente "aquele que cria emprego", considerando que "investir em infraestruturas (...) cria condições para atrair outros investimentos".

"Nenhum governante quer ver os seus filhos abandonar o país e sobretudo naquelas condições desumanas em que o processo está a decorrer"



João Lourenço reconhece que pode demorar meses ou anos para que haja soluções duradouras para um problema que considera "uma vergonha para todos".

"Todos nós nos sentimos envergonhados com o que se está a passar neste momento. Nenhum governante quer ver os seus filhos abandonar o país e sobretudo naquelas condições desumanas em que o processo está a decorrer", disse.

Em Bruxelas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.