João Lourenço admite que questão de migrações envergonha África

O presidente de Angola afirmou esta quarta-feira em Estrasburgo que a questão dos fluxos migratórios são motivo "de vergonha"

O presidente angolano, João Lourenço, considera "uma vergonha" o que se está a passar no Mediterrâneo.

A falar em Estrasburgo, à margem do discurso perante o Parlamento Europeu, o presidente angolano, João Lourenço disse que África precisa de soluções duradouras, esperando um contributo da União Europeia a esse nível.

"Soluções duradouras são aquelas que garantam o desenvolvimento do continente, a criação de emprego, a criação de riqueza, de maior estabilidade", nomeou, considerando que "isso só se consegue num quadro multilateral e tendo a consciência de que é uma solução que não se vai encontrar ao fim de dois [ou] três anos".

O presidente angolano admite que Portugal também pode dar um contributo, com determinado tipo de investimento, nomeadamente "aquele que cria emprego", considerando que "investir em infraestruturas (...) cria condições para atrair outros investimentos".

"Nenhum governante quer ver os seus filhos abandonar o país e sobretudo naquelas condições desumanas em que o processo está a decorrer"



João Lourenço reconhece que pode demorar meses ou anos para que haja soluções duradouras para um problema que considera "uma vergonha para todos".

"Todos nós nos sentimos envergonhados com o que se está a passar neste momento. Nenhum governante quer ver os seus filhos abandonar o país e sobretudo naquelas condições desumanas em que o processo está a decorrer", disse.

Em Bruxelas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.