Presidente das Filipinas inicia visita histórica a Israel

Em 2016, ano em que subiu ao poder, Duterte recebeu críticas de Israel por se comparar a Adolf Hitler

O Presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, inicia hoje uma visita histórica a Israel, que ilustra a sua disposição em reduzir a dependência militar do tradicional aliado norte-americano, noticia a agência France-Presse.

A visita de quatro dias é a primeira de um chefe de Estado filipino desde o estabelecimento de relações diplomáticas entre os dois países, há 60 anos.

A chegada de Duterte será seguida de perto em Israel, devido à forte personalidade e franqueza do líder populista que há dois anos chegou a comparar-se a Adolf Hitler.

Na segunda-feira, acompanhado por uma grande delegação, Duterte tem encontro marcado com o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu.

"Esta visita é de grande importância para nós, pois simboliza as fortes e calorosas relações entre os nossos dois povos", afirmou em comunicado o ministério dos Negócios Estrangeiros de Israel.

A chegada ao poder de Duterte, em meados de 2016, resultou numa deterioração das relações com os Estados Unidos, país presidido então por Barack Obama, apesar do acordo de defesa que vinculava as duas nações.

Para o chefe de Estado filipino, a visita é "uma oportunidade de visitar outro mercado para (...) equipar as suas Forças Armadas", disse à AFP Henelito Sevilla, especialista em relações internacionais.

Só no ano passado, a indústria de defesa e segurança de Israel exportou um total de 9.200 milhões de euros em armas. Cerca de 60% das exportações de defesa vão para a região da Ásia-Pacífico, segundo dados oficiais.

Nesse mesmo ano, Manila tornou-se grande cliente de Israel, ao comprar 21 milhões de dólares (18 milhões de euros) em equipamentos.

Em 2016, ano em que subiu ao poder, Duterte recebeu críticas de Israel por se comparar a Adolf Hitler.

"Hitler abateu três milhões de judeus, bem, há três milhões de viciados em drogas (nas Filipinas), eu ficaria feliz em abatê-los", disse à epoca.

O Presidente filipino, que pediu desculpas "ao povo judeu", irá visitar o Yad Vashem, o memorial do Holocausto em Jerusalém.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.