Presidente das Filipinas confessa que não gosta de nomear mulheres

Rodrigo Duterte admite que prefere trabalhar com homens porque estes "podem receber uma avalanche de ordens sem se queixarem"

O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, confessou este sábado que prefere não nomear mulheres para "cargos importantes"no Governo, uma vez que se sente incomodado em pedir que cumpram determinadas missões ou tarefas.

O controverso Chefe de Estado filipino exemplificou, dizendo que se sente "incomodado por pedir a uma mulher que vá de repente a Marawi", cidade onde em 2017 se travou durante cinco meses uma sangrenta batalha entre o exército e partidários do movimento terrorista Estado Islâmico, comandados pelo grupo Maute. "Pode pedir-se isso a uma mulher, forçá-la a essa situação?", questionou o presidente filipino durante uma sessão pública de discussão de novas tecnologias.

Duterte, que tem um largo registo de afirmações consideradas misóginas e sexistas, garante que prefere trabalhar com homens porque estes "podem receber uma avalanche de ordens sem se queixarem". O governante de 73 anos diz ainda que há certos cargos "mais adequados às mulheres", como a pasta do Turismo.No gabinete de Duterte têm assento cinco mulheres, nos departamentos de Turismo, Educação e Bem Estar Social e nas comissões contra a pobreza e dos muçulmanos.

Duterte esteve no centro de mais uma polémica no início de junho quando beijou nos lábios uma mulher da comunidade filipina de Seoul, Coreia do Sul. Em fevereiro tinha também recomendado aos militares que "alvejassem a tiro as vaginas das guerrilheiras, para que estas não possam procriar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?