Presidente das Filipinas confessa que não gosta de nomear mulheres

Rodrigo Duterte admite que prefere trabalhar com homens porque estes "podem receber uma avalanche de ordens sem se queixarem"

O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, confessou este sábado que prefere não nomear mulheres para "cargos importantes"no Governo, uma vez que se sente incomodado em pedir que cumpram determinadas missões ou tarefas.

O controverso Chefe de Estado filipino exemplificou, dizendo que se sente "incomodado por pedir a uma mulher que vá de repente a Marawi", cidade onde em 2017 se travou durante cinco meses uma sangrenta batalha entre o exército e partidários do movimento terrorista Estado Islâmico, comandados pelo grupo Maute. "Pode pedir-se isso a uma mulher, forçá-la a essa situação?", questionou o presidente filipino durante uma sessão pública de discussão de novas tecnologias.

Duterte, que tem um largo registo de afirmações consideradas misóginas e sexistas, garante que prefere trabalhar com homens porque estes "podem receber uma avalanche de ordens sem se queixarem". O governante de 73 anos diz ainda que há certos cargos "mais adequados às mulheres", como a pasta do Turismo.No gabinete de Duterte têm assento cinco mulheres, nos departamentos de Turismo, Educação e Bem Estar Social e nas comissões contra a pobreza e dos muçulmanos.

Duterte esteve no centro de mais uma polémica no início de junho quando beijou nos lábios uma mulher da comunidade filipina de Seoul, Coreia do Sul. Em fevereiro tinha também recomendado aos militares que "alvejassem a tiro as vaginas das guerrilheiras, para que estas não possam procriar.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.