Presidente da Tanzânia diz que as pessoas que fazem contraceção são preguiçosas

John Magufuli incentivou mais uma vez a população a ter filhos: "Não vejo qualquer necessidade de fazer controlo de natalidade"

O presidente da Tanzânia, John Magufuli, voltou a sublinhar a sua oposição a todos os métodos contracetivos e incentivou a população do seu país a reproduzir-se. Num discurso em Meatu, o presidente alertou a população para não dar ouvidos àqueles que aconselham o uso de contraceção, muitos dos quais são estrangeiros, porque têm "motivos sinistros".

"Vocês, pessoas de Meatu, têm gado. São bons agricultores. Conseguem alimentar os vossos filhos. Porque optariam por fazer controlo de natalidade? Este é o meu ponto de vista, mas eu não vejo qualquer necessidade de fazer controlo de natalidade na Tanzânia", disse. Magufuli. Na sua opinião, as pessoas que usam métodos contracetivos são preguiçosas pois não querem trabalhar para alimentar uma família grande.

Magufuli explicou que nas suas viagens pela Europa pôde constatar como as políticas de planeamento familiar conduzem à diminiuição da mão-de-obra e ao envelhecimento da população. Pelo contrário, na Tanzania, existem políticas de apoio à família e o presidente congratulou-se pelo investimento feito na saúde materna e na construção de novos hospitais.

De acordo com o jornal The Citizen, não há qualquer indicação de que o governo vá alterar a legislação no que toca ao planeamento familiar, no entanto há esse risco. "Da nossa experiência, sempre que o presidente faz uma declaração sobre um assunto, na prática essa declaração é tomada como lei, por isso, podemos esperar por consequências", comentou Judi Gitau, coordenador regional da associação Equality Now. E no caso de haver um passo atrás nas políticas de planeamento familiar essa alteração terá um impacto devastador nos direitos das mulheres, conclui: "Teremos mulheres com filhos não planeados e famílias grandes e sem capacidade de se sustentar."

Também Petrider Paul, ativista para a igualdade de género na Tanzânia, comentou ao The Guardian que estas declarações do presidente podem contribuir para diminuir ainda mais a liberdade das mulheres: "Toda a questão da contraceção na Tanzânia é uma decisão do homem. Uma mulher não pode tomar a decisão de tomar um contracetivo sem a autorização do homem", explicou. "Agora muitos homens vão argumentar que o presidente lhes disse para terem mais filhos."

Esta não é a primeira vez que o presidente da Tanzânia faz declarações deste tipo. Em 2016, depois de o ensino ser tornado gratuito no país, Magufuli declarou: "As mulheres já podem deitar fora as pílulas, a educação é gratuita". E no ano passado também declarou que todas as raparigas que engravidassem não poderiam continuar na escola.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.