Presidente da Tanzânia diz que as pessoas que fazem contraceção são preguiçosas

John Magufuli incentivou mais uma vez a população a ter filhos: "Não vejo qualquer necessidade de fazer controlo de natalidade"

O presidente da Tanzânia, John Magufuli, voltou a sublinhar a sua oposição a todos os métodos contracetivos e incentivou a população do seu país a reproduzir-se. Num discurso em Meatu, o presidente alertou a população para não dar ouvidos àqueles que aconselham o uso de contraceção, muitos dos quais são estrangeiros, porque têm "motivos sinistros".

"Vocês, pessoas de Meatu, têm gado. São bons agricultores. Conseguem alimentar os vossos filhos. Porque optariam por fazer controlo de natalidade? Este é o meu ponto de vista, mas eu não vejo qualquer necessidade de fazer controlo de natalidade na Tanzânia", disse. Magufuli. Na sua opinião, as pessoas que usam métodos contracetivos são preguiçosas pois não querem trabalhar para alimentar uma família grande.

Magufuli explicou que nas suas viagens pela Europa pôde constatar como as políticas de planeamento familiar conduzem à diminiuição da mão-de-obra e ao envelhecimento da população. Pelo contrário, na Tanzania, existem políticas de apoio à família e o presidente congratulou-se pelo investimento feito na saúde materna e na construção de novos hospitais.

De acordo com o jornal The Citizen, não há qualquer indicação de que o governo vá alterar a legislação no que toca ao planeamento familiar, no entanto há esse risco. "Da nossa experiência, sempre que o presidente faz uma declaração sobre um assunto, na prática essa declaração é tomada como lei, por isso, podemos esperar por consequências", comentou Judi Gitau, coordenador regional da associação Equality Now. E no caso de haver um passo atrás nas políticas de planeamento familiar essa alteração terá um impacto devastador nos direitos das mulheres, conclui: "Teremos mulheres com filhos não planeados e famílias grandes e sem capacidade de se sustentar."

Também Petrider Paul, ativista para a igualdade de género na Tanzânia, comentou ao The Guardian que estas declarações do presidente podem contribuir para diminuir ainda mais a liberdade das mulheres: "Toda a questão da contraceção na Tanzânia é uma decisão do homem. Uma mulher não pode tomar a decisão de tomar um contracetivo sem a autorização do homem", explicou. "Agora muitos homens vão argumentar que o presidente lhes disse para terem mais filhos."

Esta não é a primeira vez que o presidente da Tanzânia faz declarações deste tipo. Em 2016, depois de o ensino ser tornado gratuito no país, Magufuli declarou: "As mulheres já podem deitar fora as pílulas, a educação é gratuita". E no ano passado também declarou que todas as raparigas que engravidassem não poderiam continuar na escola.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.