Presidente romeno pede que primeira-ministra se demita

Klaus Iohannis afirmou que a primeira-ministra Viorica Dancila não tem competências para ocupar este cargo

O Presidente da Roménia, Klaus Iohannis, pediu esta sexta-feira à primeira-ministra, Viorica Dancila, que se demita, afirmando que ela não tem competência para ocupar o cargo.

"A senhora Dancila não está à altura da função de primeira-ministra da Roménia e, por isso, o Governo torna-se uma fonte de vulnerabilidade para a Roménia. É por essa razão que peço publicamente a demissão da senhora Dancila", disse o Presidente numa curta declaração à imprensa.

Dancila, que em janeiro se tornou a primeira mulher a liderar um Governo romeno, apenas é responsável perante o parlamento, dominado pelo Partido Social-Democrata (PSD) no poder, única instituição com poder para decidir a sua demissão.

O Presidente, cujas relações com o Governo social-democrata são tensas, acusou a primeira-ministra de "preferir executar ordens do partido" e evocou um documento, adotado na semana passada pelo Governo, de avaliação da mudança da embaixada da Roménia em Israel de Telavive para Jerusalém.

Iohannis defende que uma tal mudança contraria o Direito Internacional, opondo-se à decisão e criticando o Governo por não o ter informado previamente.

Para o Presidente, a iniciativa do Governo é um "grande erro".

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".