Presidente da Nigéria plagiou discurso de Obama

Muhammadu Buhari já pediu desculpa ao presidente norte-americano, com quem estará na terça-feira

O Presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, pediu desculpa por ter plagiado o discurso de vitória de Barack Obama nas presidenciais norte-americanas, em 2008, e garantiu que vai punir os responsáveis, nas vésperas da reunião com Obama.

O plágio foi denunciado por uma colunista do jornal ThisDay, na sexta-feira, notando "o problema moral do plágio num dia em que o Presidente lançou uma campanha a exigir honestidade e integridade".

De acordo com a AFP, várias linhas do discurso que Buhari proferiu no dia 08, quando lançou a campanha 'A mudança começa comigo', na qual promove uma nova maneira de pensar e de combater a corrupção generalizada, eram idênticas às ditas por Obama em 2008.

Buhari disse que "temos de resistir à tentação de cair outra vez no mesmo partidarismo, mesquinhez e imaturidade que têm envenenado o nosso país há tanto tempo; convoquemos um novo espírito de responsabilidade, espírito de serviço, de patriotismo e sacrifício".

Segundo a AFP, Obama disse, em 2008: "convoquemos um novo espírito de patriotismo; de serviço e responsabilidade onde cada um de nós resolver contribuir e tomar conta não só de nós próprios, mas de nós... Resistamos à tentação de cair outra vez no mesmo partidarismo e mesquinhez e imaturidade que envenena a nossa política há tanto tempo".

Obama vai encontrar-se com Buhari na terça-feira durante a Assembleia-Geral das Nações Unidas, anunciou a Casa Branca na sexta-feira, sendo expectável que debatam o apoio norte-americano à segurança e às mudanças económicas na Nigéria e aos esforços para combater o crescimento do grupo extremista islâmico Boko Haram.

Na quarta-feira, Obama vai também participar numa cimeira EUA-África, em que estarão 200 líderes empresariais americanos e africanos e vários chefes de Estado africanos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.