Presidente da Nigéria plagiou discurso de Obama

Muhammadu Buhari já pediu desculpa ao presidente norte-americano, com quem estará na terça-feira

O Presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, pediu desculpa por ter plagiado o discurso de vitória de Barack Obama nas presidenciais norte-americanas, em 2008, e garantiu que vai punir os responsáveis, nas vésperas da reunião com Obama.

O plágio foi denunciado por uma colunista do jornal ThisDay, na sexta-feira, notando "o problema moral do plágio num dia em que o Presidente lançou uma campanha a exigir honestidade e integridade".

De acordo com a AFP, várias linhas do discurso que Buhari proferiu no dia 08, quando lançou a campanha 'A mudança começa comigo', na qual promove uma nova maneira de pensar e de combater a corrupção generalizada, eram idênticas às ditas por Obama em 2008.

Buhari disse que "temos de resistir à tentação de cair outra vez no mesmo partidarismo, mesquinhez e imaturidade que têm envenenado o nosso país há tanto tempo; convoquemos um novo espírito de responsabilidade, espírito de serviço, de patriotismo e sacrifício".

Segundo a AFP, Obama disse, em 2008: "convoquemos um novo espírito de patriotismo; de serviço e responsabilidade onde cada um de nós resolver contribuir e tomar conta não só de nós próprios, mas de nós... Resistamos à tentação de cair outra vez no mesmo partidarismo e mesquinhez e imaturidade que envenena a nossa política há tanto tempo".

Obama vai encontrar-se com Buhari na terça-feira durante a Assembleia-Geral das Nações Unidas, anunciou a Casa Branca na sexta-feira, sendo expectável que debatam o apoio norte-americano à segurança e às mudanças económicas na Nigéria e aos esforços para combater o crescimento do grupo extremista islâmico Boko Haram.

Na quarta-feira, Obama vai também participar numa cimeira EUA-África, em que estarão 200 líderes empresariais americanos e africanos e vários chefes de Estado africanos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.