George Weah anuncia corte de 25% no seu salário de presidente

"A nossa economia está falida", alertou o ex-jogador de futebol, que também quer revogar o artigo da Constituição que só permite a "pessoas de cor" adquirirem a cidadania liberiana

O recém-eleito presidente da Libéria e ex-jogador de futebol, George Weah, anunciou, esta segunda-feira, que vai cortar o seu salário em 25%, No seu discurso, o novo Chefe de Estado alertou a população para o mau estado da economia do país.

"Devido à muito rápida deterioração da situação da economia, estou a informar-vos hoje que, com efeitos imediatos, vou reduzir o meu salário e benefícios em 25%", anunciou Weah, citado pelo jornal The Guardian, O valor restante num fundo de desenvolvimento para a Libéria.

"A nossa economia está falida. O nosso Governo está falido. A nossa moeda numa queda livre. A inflação a subir", avisou.

"O desemprego nunca foi tão alto e as nossas reservas estrangeiras nunca foram tão poucas", sublinhou, justificando assim o corte na sua própria remuneração.

A medida é olhada com admiração num continente que se tem habituado ao inverso: representantes do Estado que usam as suas funções para obterem salários extravagantes e vantagens, escreve o jornal.

George Weah venceu as eleições presidenciais em dezembro do ano passado, sucedendo a Ellen Johnson Sirleaff. A sua antecessora é uma economista vencedora do Nobel. Weah é um ex-atleta e até o hoje único futebolista africano a ganhar a Bola de Ouro.

Weah tinha prometido uma repressão à corrupção endémica existente no país e tem-se esforçado por apresentar medidas que a contrariem. No entanto, não é a primeira surpresa do seu mandato. O presidente quer revogar um artigo presente na Constituição e que apenas permite a "pessoas de cor" serem consideradas liberianas ou possuirem propriedades no país. Segundo a Reuters, Weah descreveu essas cláusulas como "desnecessárias, racistas e inapropriadas" para a Libéria do século XXI.

A Libéria é a república mais antiga da África e foi criada por escravos libertados pelos EUA. Foi declarada independente em 1847.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.