Presidente da Eritreia visita Etiópia pela primeira vez em 22 anos

Milhares de pessoas celebraram nas ruas a chegada do presidente a Adis Abeba

O Presidente da Eritreia, Isaias Afwerki, chegou este sábado à Etiópia para a primeira visita em 22 anos e na sequência da recente deslocação histórica do primeiro-ministro etíope a Asmara.

Milhares de pessoas deslocaram-se à capital da Etiópia, Adis Abeba, sob fortes medidas de segurança para receber o Presidente Isaias Afwerki, de 72 anos, cuja visita é o mais recente passo para pôr fim ao estado de guerra.

O novo primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, quebrou o gelo no mês passado ao aceitar totalmente um acordo de paz que pôs fim a um conflito fronteiriço e visitou a Eritreia no último fim de semana.

Alguns etíopes mais entusiastas compararam a restauração das relações com a queda do Muro de Berlim.

As ligações telefónicas foram abertas e os primeiros voos programados da Ethiopian Airlines para a Eritreia começam na quarta-feira. A Etiópia e a Eritreia chegaram a acordo no início do mês para retomar relações diplomáticas e abrir as fronteiras, depois de décadas de hostilidades.

"Concordamos com a retomada do tráfego aéreo e marítimo, a movimentação de pessoas entre os dois países e a reabertura de embaixadas", declarou o primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed, depois de conversações com o Presidente da Eritreia.

Os dois países romperam ligações diplomáticas no início de um conflito pelas fronteiras, que os opôs entre 1998 e 2000 e que fez cerca de 80 mil mortos.

As relações mantiveram-se tensas, depois de a Etiópia ter recusado ceder à Eritreia um território fronteiriço disputado entre os dois países, apesar de uma comissão internacional independente apoiada pelas Nações Unidas (ONU) ter decidido nesse sentido em 2002.

Antiga província etíope no Mar Vermelho, a Eritreia declarou independência em 1993, depois de expulsar as tropas etíopes dos seus territórios em 1991, pondo termo a três décadas de guerra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Tempo de fugir de casa para regressar à terra

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.