Presidente da Eritreia visita Etiópia pela primeira vez em 22 anos

Milhares de pessoas celebraram nas ruas a chegada do presidente a Adis Abeba

O Presidente da Eritreia, Isaias Afwerki, chegou este sábado à Etiópia para a primeira visita em 22 anos e na sequência da recente deslocação histórica do primeiro-ministro etíope a Asmara.

Milhares de pessoas deslocaram-se à capital da Etiópia, Adis Abeba, sob fortes medidas de segurança para receber o Presidente Isaias Afwerki, de 72 anos, cuja visita é o mais recente passo para pôr fim ao estado de guerra.

O novo primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, quebrou o gelo no mês passado ao aceitar totalmente um acordo de paz que pôs fim a um conflito fronteiriço e visitou a Eritreia no último fim de semana.

Alguns etíopes mais entusiastas compararam a restauração das relações com a queda do Muro de Berlim.

As ligações telefónicas foram abertas e os primeiros voos programados da Ethiopian Airlines para a Eritreia começam na quarta-feira. A Etiópia e a Eritreia chegaram a acordo no início do mês para retomar relações diplomáticas e abrir as fronteiras, depois de décadas de hostilidades.

"Concordamos com a retomada do tráfego aéreo e marítimo, a movimentação de pessoas entre os dois países e a reabertura de embaixadas", declarou o primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed, depois de conversações com o Presidente da Eritreia.

Os dois países romperam ligações diplomáticas no início de um conflito pelas fronteiras, que os opôs entre 1998 e 2000 e que fez cerca de 80 mil mortos.

As relações mantiveram-se tensas, depois de a Etiópia ter recusado ceder à Eritreia um território fronteiriço disputado entre os dois países, apesar de uma comissão internacional independente apoiada pelas Nações Unidas (ONU) ter decidido nesse sentido em 2002.

Antiga província etíope no Mar Vermelho, a Eritreia declarou independência em 1993, depois de expulsar as tropas etíopes dos seus territórios em 1991, pondo termo a três décadas de guerra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.