Coreia do Sul quer equipa conjunta com Norte

Presidente sul-coreano defende presença conjunta nos Jogos Olímpicos de Inverno. Mas alguns atletas e parte da população do seu país estão contra.

O Presidente da Coreia do Sul declarou hoje que levar uma equipa de hóquei no gelo conjunta com a Coreia do Norte aos Jogos Olímpicos de Inverno seria um acontecimento histórico em todo o mundo. O gabinete de Moon Jae-in indicou que o Presidente sul-coreano fez estas declarações durante um encontro com atletas sul-coreanos.

A Coreia do Sul quer que o Comité Olímpico Internacional autorize vários jogadores norte-coreanos a integrarem a equipa feminina sul-coreana de hóquei no gelo, no que seria a primeira equipa olímpica unificada dos dois rivais. Moon afirmou que uma equipa conjunta podia impulsionar as relações inter-coreanas e acrescentou que ver os atletas dos dois países lado a lado durante os Jogos Olímpicos, que decorrem em março, seria "um acontecimento histórico" para a população sul-coreanas e em todo o mundo.

Contudo, muitos atletas do Sul opõem-se a esta perspetiva, assim como parte significativa da população. Muitas petições têm chegado à presidência sul-coreana contestando a posição de Moon Jae-in.

Esta manhã, Seul anunciou que o Norte vai mandar uma delegação aos Jogos Paraolímpicos de PyeongChang, indicou o Ministério da Unificação sul-coreano.

Até agora, o regime norte-coreano indicou que pretende enviar no próximo mês a PyeongChang uma delegação de vários responsáveis, atletas, jornalistas, artistas e apoiantes.

No início desta semana, as delegações dos dois países tinham chegado a acordo sobre a atuação no Sul de 80 músicos e 60 cantores e bailarinos norte-coreanos durante os Jogos.

Após meses de tensões, o dirigente norte-coreano Kim Jong-un surpreendeu o mundo ao falar, a 1 de janeiro, na possível presença norte-coreana em PyeongChang. Seul respondeu rapidamente a este gesto do Norte.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.