Presidente da Colômbia recebe Nobel da Paz como "presente dos céus"

Juan Manuel Santos recebeu o prémio este sábado, em Oslo

O presidente colombiano recebeu hoje o prémio Nobel da Paz, na cerimónia de entrega do galardão na capital da Noruega, Oslo, pelo seu trabalho pela paz no país, nomeadamente o acordo conseguido com a guerrilha FARC.

Juan Manuel Santos descreveu o prémio como um "presente dos céus" e dedicou-o a todos os colombianos, em especial às vítimas deste conflito que dura há meio século.

O presidente da Colômbia discursava perante os reis da Noruega, membros do Governo norueguês, bem como de representantes das vítimas e ex-reféns das FARC, caso da franco-colombiana Ingrid Betancourt e de Clara Rojas.

Horas antes de receber este prémio, em entrevista à agência France Presse, o laureado considerou que o pior ainda está por vir antes de a paz estar finalmente ancorado em seu país.

Depois de uma falsa partida, devido à rejeição por parte do povo colombiano do primeiro texto do acordo de paz negociado com os guerrilheiros marxistas das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) para acabar com um conflito de mais de meio século, Santos considerou que o período que se abre "é um passo mais difícil do processo (as negociações) em si, o que exige um grande esforço, perseverança e humildade", em entrevista concedida à Agence France-Presse algumas horas antes da cerimónia do Nobel.

Segundo o responsável, será necessário "muito grande esforço de coordenação para trazer os benefícios da paz para as regiões que mais sofreram com o conflito", acrescentou.

O processo de paz sofreu um sério revés a 2 de outubro, quando os colombianos rejeitaram em referendo o primeiro acordo destinado a acabar com o conflito que deixou pelo menos 260.000 mortos, mais de 60.000 desaparecidos e mais de 6,9 milhões de deslocados.

Já alterado para incorporar as propostas da oposição, o novo acordo prevê, como o seu antecessor, o desarmamento das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) e a sua transformação em um movimento político.

Contudo, antes que a Colômbia conheça a paz completa também será preciso chegar a acordo com outra guerrilha, o Exército de Libertação Nacional (ELN), e Juan Manuel Santos disse que não podia comprometer-se em conseguir também esse adeus às armas antes de deixar a presidência em 2018.

"Farei o meu melhor, mas estabelecer um calendário vinculativo é sempre contraproducente em tais negociações", afirmou.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.