Presidente da Catalunha vira costas ao embaixador espanhol

Diplomata desmentia afirmações de Quim Torra durante receção em Washington. Conflito pode continuar hoje na inauguração do Smithsonian Folklife Festival, no qual a Catalunha é um dos destaques da programação

O conflito entre Madrid e a Catalunha conheceu mais um capítulo na quarta-feira à noite, em Washington. O presidente da Catalunha, Quim Torra, encabeçou um protesto contra o discurso que o embaixador de Espanha proferia durante uma receção do Folklife Festival, no qual a cultura catalã é homenageada.

À saída do Museu Nacional de História Afroamericana, Torra qualificou o discurso de "ofensivo" e intolerável" e pediu a demissão de Pedro Morenés, entre gritos de "liberdade para os presos políticos".

E que disse o diplomata espanhol? Morenés tomou a palavra após um discurso em que o presidente da Generalitat acusou o governo espanhol de repressão e denunciou a existência de presos políticos, tendo sido concluído com o hino da Catalunha, Els Segadors, cantada pela delegação catalã.

O embaixador, ex-ministro da Defesa de Mariano Rajoy, desmentiu Torra. Afirmou que não existem presos políticos em Espanha e que os catalães defensores da unidade de Espanha vivem uma situação de assédio na Catalunha, o que desencadeou a atitude de Torra. Ao presidente seguiram-se dezenas de pessoas que abandonaram a sala enquanto assobiavam o embaixador.

"Catalunha, tradição e criatividade a partir do Mediterrâneo" é o nome do programa de atividades culturais que durante dez dias integra o Folklife, festival organizado pelo Instituto Smithsonian.

Segundo conta o El País, o anterior governo espanhol reagiu com bastante incómodo a esta iniciativa cultural, temendo a sua politização. O tema chegou ao Departamento de Estado norte-americano, o que explica a intervenção do embaixador espanhol.

O conflito pode ter um segundo capítulo hoje, durante a inauguração oficial, uma vez que está prevista a presença de Pedro Morenés.

Ler mais

Exclusivos