Presidente Jacob Zuma pronuncia-se quarta-feira sobre demissão

Jacob Zuma recebeu ordem de demissão do Congresso Nacional Africano, o partido no poder

O presidente sul-africano, Jacob Zuma vai pronunciar-se na quarta-feira sobre a ordem de demissão dada pelo Congresso Nacional Africano (ANC), o partido no poder, assegurou hoje o secretário-geral do partido, Ace Magashule.

"Tenho a certeza que o Presidente responderá amanhã (...) Sei que o Presidente vai responder amanhã", quarta-feira, declarou Magashule numa conferência de imprensa em Joanesburgo.

"O NEC (Comité nacional executivo, órgão de decisão do ANC) decidiu lembrar o camarada Jacob Zuma", declarou Magashule.

"Nós não lhe demos qualquer data limite mas eu sei que o Presidente vai responder amanhã", adiantou.

O Presidente Zuma, cujo segundo mandato termina em 2019, está envolvido em numerosos escândalos de corrupção que afetam negativamente a imagem do ANC.

"Nós estamos determinados a restaurar a credibilidade das instituições públicas, criar a estabilidade económica e relançar a economia com urgência", adiantou Magashule.

O Presidente Zuma não é obrigado constitucionalmente a aceitar a decisão do seu partido e se não o fizer o ANC pode pedir a votação de uma moção de censura.

Em caso de demissão do Presidente, o lugar será ocupado pelo vice-Presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, presidente do ANC, confirmou Magashule.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.