Colômbia invadir a Venezuela? Mais uma "loucura" de Maduro

Venezuela acusou o Exército da Colômbia de estar a recrutar cidadãos venezuelanos, o que levaria a uma escalada de violência na fronteira partilhada pelos dois países.

O Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, classificou no domingo como "loucura" as acusações de que o seu país prepara uma invasão da Venezuela feitas pelo procurador-geral venezuelano, Tarek Saab.

"Estamos habituados a essas expressões, essas loucuras por parte do [presidente venezuelano Nicolás] Maduro e seus funcionários. Esta é outra loucura, passar pela cabeça de alguém que vamos invadir a Venezuela", afirmou Juan Manuel Santos numa entrevista ao canal Uno.

Tarek Saab declarou no dia 12 que a Colômbia "está a planear, nada mais nada menos, que reeditar épocas que já foram ultrapassadas na história da Humanidade, como o bombardeamento militar, a invasão militar, como é a ocupação a sangue e fogo" da Venezuela.

Na passada sexta-feira, o ministro do Interior e Justiça venezuelano, Néstor Reverol, subiu de tom nos protestos, ao acusar o Exército da Colômbia de estar a recrutar cidadãos venezuelanos, o que levará a uma escalada de violência na fronteira partilhada pelos dois países.

O governante disse ter "informações e provas contundentes sobre o recrutamento de cidadãos venezuelanos por parte do Exército colombiano, iniciativa que considerou "grave e perigosa".

Segundo Néstor Reverol, uma vez recrutados, os venezuelanos recebem documentos de identidade colombianos, como o cartão de cidadão, e "são de imediato incorporados no serviço militar obrigatório da Colômbia.

Esta acusação foi igualmente refutada pelo Governo colombiano.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.