Presidente checo quer revogar reconhecimento do Kosovo

A Sérvia tem efetuado diversos esforços para convencer outros países a recuarem no seu reconhecimento do Kosovo. Cerca de 12 Estados, na sua maioria situados em África, já terão adotado essa posição.

O Presidente da República Checa, Milos Zeman, propôs esta quarta-feira que o seu país revogue o reconhecimento como país independente do Kosovo, antiga província sérvia, uma sugestão contrariada pelo chefe da diplomacia de Praga.

Zeman sugeriu esta alteração da posição do governo checo no segundo e último dia de uma visita oficial à Sérvia, que não reconhece a independência do Kosovo.

No decurso de uma conferência conjunta com o seu homólogo sérvio Aleksandar Vucic, o Presidente checo esclareceu que não pode revogar o reconhecimento por Praga da independência do Kosovo, mas que pretende colocar a questão.

"Não sou um ditador", disse Zeman. "Mas o que posso fazer é perguntar ... Vou perguntar se a questão [revogação da decisão] pode ser concretizada".

Zeman, também conhecido por diversas declarações impetuosas, disse na terça-feira que gosta da Sérvia e do povo sérvio, mas não tem particular apreço pelo Kosovo, com maioria de população albanesa muçulmana.

Hoje, o ministro dos Negócios Estrangeiros checo, Tomas Petricek, considerou não existir motivo para o Governo reconsiderar a sua decisão sobre o Kosovo.

"Apesar de não ver qualquer razão para semelhante debate neste momento, porque a situação nos Balcãs não se alterou, estou disposto a falar com Zeman sobre a sua posição", disse.

Mais de 100 países reconheceram a declaração da independência do Kosovo anunciada em 2008, incluindo 23 Estados membros da União Europeia (UE) e os Estados Unidos. Para além da Sérvia, Rússia, China, Índia ou África do Sul recusaram legitimar essa declaração unilateral.

As conversações mediadas pela UE sobre a normalização das relações entre a Sérvia e o Kosovo estão suspensas e o clima de tensão tem-se acentuado na região. A Sérvia tem efetuado diversos esforços para convencer outros países a recuarem no seu reconhecimento do Kosovo. Cerca de 12 Estados, na sua maioria situados em África, já terão adotado essa posição.

Hoje, Vucic voltou a insistir na necessidade de um "compromisso" para resolver a disputa do Kosovo. Considerou ainda Zeman um amigo da Sérvia, e com a reputação de "um homem que pensa pela sua cabeça".

No decurso da conferência de imprensa conjunta, Zeman definiu o Kosovo como um país "dirigido por criminosos de guerra".

O primeiro-ministro demissionário do Kosovo, Ramush Haradinaj, foi recentemente convocado por um tribunal internacional para depor sobre alegados crimes de guerra cometidos durante a guerra do Kosovo (1998-1999). No entanto, recusou prestar declarações perante a instância e não foi indiciado. O Kosovo realiza legislativas antecipadas em outubro.

A visita de Zeman também se focou no reforço das relações económicas entre os dois países eslavos.