Putin considera "terrorismo telefónico" vaga de falsos alertas de bomba

As autoridades adiantaram que nos últimos três dias foram evacuados 500 edifícios, entre eles órgãos oficiais, escolas e centros comerciais

A presidência russa qualificou hoje como "terrorismo telefónico" centenas de falsos alertas de bomba feitos pelo telemóvel, nos últimos dias, contra locais públicos na Rússia.

"Isto é, sem dúvida, terrorismo e vandalismo telefónico", disse aos jornalistas Dmitry Peskov, porta-voz do Presidente Russo, Vladimir Putin.

Segundo o porta-voz, "estão a ser tomadas todas as medidas necessárias" para encontrar os autores dos telefonemas.

De acordo com a EFE, mais de 20 escolas foram hoje evacuadas na capital russa, tendo sido retiradas mais de 15 mil pessoas dos estabelecimentos.

Em São Petersburgo foram hoje evacuados todos os grandes centros comerciais, num total de doze, e ainda um outro em Kazán.

As autoridades adiantaram que nos últimos três dias foram evacuados 500 edifícios, entre eles órgãos oficiais, escolas e centros comerciais, e retiradas 150 mil pessoas e não foram encontradas bombas.

As chamadas anónimas começaram na segunda-feira, na zona ocidental da Rússia, e espalharam-se na terça-feira a cidades de todo o país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.