Presença política das FARC será decisiva nas eleições de 2018

A atuação política do antigo grupo armado de esquerda é um dos pontos previstos pelo acordo de paz firmado com o Governo colombiano em setembro do ano passado

A diretora de uma organização de observação eleitoral colombiana defendeu esta segunda-feira que a presença política da antiga guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) será decisiva nas eleições nacionais e locais de 2018.

"A presença das FARC será decisiva em como os eleitores vão votar. Vão analisar se um candidato apoia ou não o processo de paz, por exemplo. Inclusive, há políticos que defendem mudanças no acordo, como se ele ainda não tivesse sido assinado", disse à Lusa a diretora da Misión de Observación Electoral (MOE), Alejandra Barrios Cabrera.

Membros das FARC estão reunidos desde o último domingo num congresso em Bogotá, para preparar o lançamento de um novo partido, previsto para a próxima sexta-feira.

A atuação política do antigo grupo armado de esquerda é um dos pontos previstos pelo acordo de paz firmado com o Governo colombiano em setembro do ano passado, mas que entrou em vigor este ano.

"Esperávamos que o tema das FARC deixasse de pôr ou tirar presidentes, queríamos falar sobre o tema da corrupção, que está comendo este país e que estava escondido pela cortina de sangue que era a guerra. Mas continuamos a discutir as FARC...", afirmou a diretora da organização civil colombiana de observação eleitoral.

Um dos motivos para a persistência do tema na esfera pública e nos discursos dos políticos é a vitória do "não" no plebiscito de 02 de outubro do ano passado, relativo ao acordo de paz.

Apesar de uma baixa adesão às urnas, o acordo entre a guerrilha e o governo foi recusado pelos votantes das áreas urbanas e pode ser retomado após novas negociações com partidos de oposição. Na maioria das áreas rurais o "sim" venceu no plebiscito.

"Na esfera urbana, que escuta e vê nos meios de comunicação os debates políticos, há muita resistência [contra a participação do novo partido das FARC]. Mas não sabemos qual vai ser o resultado da zona rural, e são esses lugares que podem surpreender na votação. Não está claro quais podem ser os níveis de participação regionais", disse a diretora da MOE.

Esta não é a primeira vez que a desmobilização de guerrilhas na Colômbia permite a participação política de seus membros. Nos anos 1990, deixaram as armas os grupos de esquerda M-19 (Movimento 19 de Abril), EPL (Exército Popular de Libertação), PRT (Partido Revolucionário dos Trabalhadores) e Quintín Lame.

O acordo com as FARC, no entanto, marca a desmobilização da maior guerrilha da Colômbia e da mais longeva da América Latina.

"A pergunta é que capacidade de resiliência tem o país para entender que um grupo tão controverso tenha essa participação [política]", acrescentou Alejandra Barrios.

Membros das FARC já anunciaram que o novo partido não deverá lançar um candidato à presidência, mas que poderá fazer alianças.

Segundo a diretora da MOE, até este momento os outros partidos, inclusive os de esquerda, não demonstraram interesse nessa aproximação com o grupo, para não assumir a rejeição eleitoral que esse passo pode provocar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.

Premium

Viriato Soromenho Marques

A política do pensamento mágico

Ao fim de dois anos e meio, o processo do Brexit continua o seu rumo dramático, de difícil classificação. Até aqui, analisando as declarações dos principais atores de Westminster, o Brexit apresenta mais as tonalidades de uma farsa. Contudo, depois do chumbo nos Comuns do Plano May, ficou nítido que o governo e o Parlamento britânicos não só não sabem para onde querem ir como parece não fazerem a mínima ideia de onde querem partir. Ao ler na imprensa britânica as palavras de quem é suposto tomar decisões esclarecidas, quase se fica ruborizado pelo profundo desconhecimento da estrutura e pelo modo de funcionamento da UE que os engenheiros da saída revelam. Com tamanha irresponsabilidade, não é impossível que a farsa desemboque numa tragicomédia, causando danos a toda a gente na Europa e pondo a própria integridade do Reino Unido em risco.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro: "O outro e o mesmo"

No tempo em que se punha pimenta na língua dos meninos que diziam asneiras, estudar Gil Vicente era uma lufada de ar fresco: ultrapassados os obstáculos iniciais daquela língua com borrifos de castelhano, sabia bem poder ler em voz alta numa aula coisas como "caganeira" e soltar outras tantas inconveniências pela voz das personagens. Foi, aliás, com o mestre do teatro em Portugal que aprendi a vestir a pele do outro: ao interpretar numa peça da escola uma das suas alcoviteiras, eu - que detesto arranjinhos, leva-e-traz e coscuvilhice - tive de esquecer tudo isso para emprestar credibilidade à minha Lianor Vaz. E talvez um bom actor seja justamente o que consegue despir-se de si mesmo e transformar-se, se necessário, no seu avesso. Na época que me coube viver, tive, aliás, o privilégio de assistir ao desempenho de actores geniais que souberam sempre ser outros (e o outro) a cada nova personagem.