Presença da Coreia do Norte ainda incerta nas Olimpíadas

Pyongyang respondeu positivamente a proposta para negociações com Seul. Mas permanecem incógnitas sobre participação.

Coreia do Norte confirma presença de uma delegação nas negociações agendadas para a próxima semana com a Coreia do Sul, para discutir a participação nas Olimpíadas de Inverno em fevereiro e "outras questões"; Seul e Washington concordam em adiar manobras militares que iriam coincidir com o período das provas desportivas - tudo parece caminhar para uma real redução das tensões na península coreana. Mas ontem surgiu uma interrogação suscetível de pôr em causa esta perspetiva e, ao mesmo tempo, revelar as reais intenções do regime de Pyongyang.

A interrogação prende-se com as sanções em vigor contra a Coreia do Norte e a extensão destas, que abrangem praticamente todas as áreas, à exceção de "propósitos humanitários". Desde logo, isto significaria que a generalidade dos altos dirigentes de Pyongyang, todos eles na lista de sanções do Conselho de Segurança das Nações Unidas, não poderia viajar para Pyeongchang, onde decorre a maioria das provas, escrevia ontem o diário Chosun Ilbo. O que poderia ser pretexto para um recuo norte-coreano. Da elite dirigente, apenas Kim Yeo-jong, irmã do líder do regime, Kim Jong-un, não é alvo de sanções, escrevia o mesmo jornal.

A viagem - e os custos - dos atletas norte-coreanos é também outro problema. A companhia aérea norte-coreana, Air Koryo, é alvo de sanções e não pode realizar voos comerciais para a Coreia do Sul. O governador da província onde decorrem os Jogos ofereceu-se para os transportar num navio de cruzeiro e custear a permanência em Pyeongchang. O que levanta outro problema: uma participação em provas desportivas não se enquadra no conceito de "propósitos humanitários", com elementos do governo de Seul a mostrarem alguma reticência sobre o modo como a questão pode ser ultrapassada. A própria viagem dos atletas encerra problemas. O recurso a um navio de cruzeiro poderia significar que a empresa sua proprietária passaria a ser alvo de interdição de navegar para portos dos EUA e do Japão. Talvez, por isso, já foi sugerido que, num gesto inédito, a delegação de Pyongyang entrasse no Sul através da zona desmilitarizada. A opção restante seria uma viagem através da China, indica o mesmo diário.

Finalmente, a questão dos custos da delegação de Pyongyang. Segundo o Chosun Ilbo, o Comité Olímpico Internacional estaria disponível para providenciar verbas nesse sentido e Seul estará a estudar formas de custear a presença dos atletas do Norte, sem que isso possa ser interpretado como um apoio financeiro a Pyongyang. No passado, o Norte ameaçou boicotar competições desportivas no Sul, se este não pagasse a estada dos seus atletas.

As interrogações surgidas sobre a presença do Norte nas Olimpíadas de Inverno (tema das negociações na próxima terça-feira em paralelo com "outras questões", como indicou ontem um porta-voz do Ministério para a Unificação, em Seul) coincidiram com o anúncio de que Pequim vai endurecer as restrições nas relações comerciais com Pyongyang. Nomeadamente, reduzindo as exportações de petróleo e também as importações que realiza do Norte. Ao mesmo tempo, nos EUA e no Japão, insistia-se que a pressão vai manter-se sobre o regime de Kim, apesar dos mais recentes acontecimentos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.