Praias japonesas devastadas pelo Tsunami de 2011 reabrem oito anos depois

Duas praias situadas na cidade de Soma (Fukushima) e em Isinomaki (Myagi) foram reabertas depois de comprovado que os níveis de radioatividade eram adequados

Duas praias situadas no noroeste do Japão devastadas pelo tsunami de 2011 foram este sábado abertas ao público, depois de ter sido comprovado que os níveis de radioatividade eram adequados oito anos após o desastre.

Estas zonas costeiras recebiam durante os meses de verão entre 30 a 50 mil visitantes antes do forte terramoto de 9 graus na escala de Richter e posterior tsunami que provocou o desastre na central Fukushima Daiichi

A reabertura das duas praias, situadas na cidade de Soma (Fukushima) e em Ishinomaki (Miyagi), coincide com uma onda de calor que invadiu o país desde a semana passada e que já causou pelo menos 30 mortos.

Estas zonas costeiras recebiam durante os meses de verão entre 30 a 50 mil visitantes antes do forte terramoto de 9 graus na escala de Richter e posterior tsunami que provocou o desastre na central Fukushima Daiichi, segundo os dados da agência japonesa Kyodo.

Os controles de qualidade realizados pelas autoridades locais de Soma desde 2015 demonstraram que os níveis de radioatividade se encontram abaixo dos mínimos estabelecidos pelos critérios de segurança da praia.

O desastre de 11 de março de 2011, o pior da história recente do Japão, causou 18 mil mortos e dezenas de milhares de pessoas desalojadas

Também foram reconstruídos os diques que foram danificados e removidos os materiais que foram arrastados para a costa após o tsunami.

O desastre de 11 de março de 2011, o pior da história recente do Japão, causou 18.000 mortos e dezenas de milhares de pessoas desalojadas, bem como danos graves para a economia local e os cofres públicos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Tempo de fugir de casa para regressar à terra

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.