Praia de Fukushima reabre ao público seis anos após acidente nuclear

Era uma das praias mais populares do Japão e começou no passado fim de semana a receber os primeiros banhistas, desde março de 2011

A praia de Usuiso, localizada em Fukushima e uma das mais populares do Japão, reabriu ao público após a conclusão dos trabalhos de descontaminação radioativa, mais de seis anos depois da catástrofe nuclear.

A praia, que se encontra a 40 quilómetros da acidentada central de Fukushima Daiichi, começou no passado fim de semana a receber os primeiros banhistas desde março de 2011, informou o Governo da localidade de Iwaki, que organizou uma cerimónia para a ocasião.

Usuiso reabriu ao público depois de concluída a reconstrução das infraestruturas na costa, devastada pelo 'tsunami' que desencadeou o acidente nuclear, assim como a limpeza dos resíduos radiativos resultantes da catástrofe.

Os níveis de radiação na praia e na água do mar são equivalentes aos registados antes da catástrofe, indicaram as autoridades de Fukushima, que nos últimos anos tem levantado as restrições de acesso a muitas das áreas que ficaram contaminadas pelo acidente.

Usuiso, que recebia mais de 200.000 visitantes por ano, de acordo com dados das autoridades locais, é uma das 18 praias da região que foram encerradas ao público depois da catástrofe, das quais apenas três reabriram.

O desastre de 11 de março de 2011 no Japão causou 15.893 mortos e 2.553 desaparecidos, de acordo com o balanço oficial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.