Praia de Fukushima reabre ao público seis anos após acidente nuclear

Era uma das praias mais populares do Japão e começou no passado fim de semana a receber os primeiros banhistas, desde março de 2011

A praia de Usuiso, localizada em Fukushima e uma das mais populares do Japão, reabriu ao público após a conclusão dos trabalhos de descontaminação radioativa, mais de seis anos depois da catástrofe nuclear.

A praia, que se encontra a 40 quilómetros da acidentada central de Fukushima Daiichi, começou no passado fim de semana a receber os primeiros banhistas desde março de 2011, informou o Governo da localidade de Iwaki, que organizou uma cerimónia para a ocasião.

Usuiso reabriu ao público depois de concluída a reconstrução das infraestruturas na costa, devastada pelo 'tsunami' que desencadeou o acidente nuclear, assim como a limpeza dos resíduos radiativos resultantes da catástrofe.

Os níveis de radiação na praia e na água do mar são equivalentes aos registados antes da catástrofe, indicaram as autoridades de Fukushima, que nos últimos anos tem levantado as restrições de acesso a muitas das áreas que ficaram contaminadas pelo acidente.

Usuiso, que recebia mais de 200.000 visitantes por ano, de acordo com dados das autoridades locais, é uma das 18 praias da região que foram encerradas ao público depois da catástrofe, das quais apenas três reabriram.

O desastre de 11 de março de 2011 no Japão causou 15.893 mortos e 2.553 desaparecidos, de acordo com o balanço oficial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.