PR da Colômbia: "Novo referendo vai dividir o povo"

Depois da vitória do não ao acordo de paz, Juan Manuel Santos afasta, praticamente, a realização de um novo referendo.

Uma derrota que pode ser uma oportunidade. É assim que o Presidente da Colômbia encara o futuro do acordo de paz que assinou com as FARC e que esbarrou no referendo realizado no dia 2 de Outubro.
Num debate, à margem da Cimeira Ibero-Americana, Juan Manuel Santos garantiu que "tudo está a ser feito para se chegar a um novo acordo, o mais rápido possível" e que a intenção neste momento é "garantir que todas as partes, sobretudo as que fizeram campanha pelo não, se revêm no nesse acordo".

Até porque o tempo urge e o "cessar fogo é ainda muito frágil", lembra o presidente colombiano.

Quanto à realização de um novo referendo, hipótese que tem sido considerada nas últimas semanas, Juan Manuel Santos não a exclui por completo, mas parece mais inclinado para seguir noutra direção. "O principal partido da oposição não quer um novo referendo e tudo o que sirva para dividir os colombianos não é uma boa solução", explicou Juan Manuel Santos.

Marcelo Rebelo de Sousa também participou neste debate. Elogiou o papel do presidente colombiano e disse que o Nobel da paz, que lhe foi atribuído, é prémio para todo o mundo ibero-americano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.