João Lourenço passou à reforma cinco oficiais generais e ex-comandante da Polícia

Presidente angolano passou à reforma três generais, um almirante e um brigadeiro das Forças Armadas Angolanas

O Presidente angolano passou à reforma cinco oficiais generais, entre os quais o anterior chefe da secreta militar que exonerou esta semana, o mesmo acontecendo com o anterior comandante-geral da Polícia Nacional. De acordo com ordens de serviço assinadas por João Lourenço, com data de 17 de novembro e aos quais a Lusa teve hoje acesso, assinadas pelo comandante-em-chefe das forças de segurança e armadas, o comissário-chefe Ambrósio de Lemos, da Polícia Nacional, é um dos que passou à reforma.

Ambrósio de Lemos era comandante-geral da Polícia Nacional de Angola desde 2006, nomeado para as funções pelo anterior chefe de Estado, José Eduardo dos Santos, que entretanto o reconduziu no cargo ao longo dos anos. Na segunda-feira, o Presidente angolano anunciou a sua exoneração e a nomeação do comissário-geral Alfredo Mingas como novo comandante-geral da Polícia Nacional.

O chefe de Estado passou ainda à reforma, por terem atingido o limite de idade, e também depois de ouvir o Conselho de Segurança Nacional, três generais, um almirante e um brigadeiro das Forças Armadas Angolanas.

É o caso do general António José Maria, tido como do círculo mais próximo do ex-Presidente da República, e que tinha sido nomeado em 2009 como chefe do Serviço de Inteligência e de Segurança Militar por José Eduardo dos Santos. Foi exonerado igualmente esta semana pelo novo Presidente angolano, que nomeou para aquelas funções o general Apolinário José Pereira.

Outros dois influentes generais angolanos, Carlos Alberto Hendrick Vaal da Silva e Fernando Torres Vaz da Conceição, passaram à reforma no topo da carreira militar.

O mesmo aconteceu com o almirante Gaspar Santos Rufino, reconduzido em setembro, por João Lourenço, nas funções de secretário de Estado para a Defesa Nacional, e o brigadeiro António dos Santos e Sousa.

Desde que tomou posse, a 26 de setembro, na sequência das eleições gerais angolanas de 23 de agosto, João Lourenço procedeu a exonerações de várias administrações de empresas estatais, dos setores de diamantes, minerais, petróleos, comunicação social, banca comercial pública e Banco Nacional de Angola, anteriormente nomeadas por José Eduardo dos Santos.

A exoneração de Isabel dos Santos, filha do ex-chefe de Estado, do cargo de presidente do conselho de administração da petrolífera estatal Sonangol, aconteceu na quarta-feira passada e foi a decisão mais mediática, seguindo-se a polícia, serviços prisionais, serviço de estrangeiros, bombeiros e chefias militares.

José Eduardo dos Santos anunciou em 2016 que pretendia abandonar a vida política em 2018, mas nesse mesmo ano recandidatou-se, de novo, à liderança do MPLA, renovando o mandato de cinco anos.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.