PP diz que eleitores castigaram quem aposta no bloqueio

Partido conseguiu nova maioria absoluta nas regionais na Galiza

A secretária-geral do PP, María Dolores de Cospedal, defendeu que nas eleições legislativas regionais de hoje os galegos e os bascos apostaram na "segurança e estabilidade" e "penalizaram os que criaram um bloqueio institucional e para o seu país".

A responsável do PP, partido que venceu as eleições legislativas em Espanha em junho passado, mas sem obter um resultado que permitisse formar Governo, destacou que o PSOE teve hoje, em ambas as comunidades, os piores resultados da sua história, pelo que deveria "tirar conclusões".

Cospedal também observou que os responsáveis do PP estão "dispostos" a falar com o Partido Nacionalista Basco (PNV, que se manteve como primeira força política no País Basco), e destacou o "espírito de negociação" do seu partido para falar com esta e outras formações políticas.

O presidente do Governo espanhol em funções e líder do PP, Mariano Rajoy, felicitou os candidatos do seu partido na Galiza, Alberto Núñes Feijóo -- que renovou o seu mandato -, e no País Basco, Alfonso Alonso.

"Parabéns a Alberto Núñez Feijóo, a Alfonso Alonso e às equipas do Partido Popular. Orgulhosos do vosso trabalho", escreveu o chefe do executivo, na rede social Twitter.

O PP ganhou as eleições na Galiza com maioria absoluta e o Partido Nacionalista Basco (PNV) venceu com maioria relativa no País Basco, pelo que terá de encontrar apoios para continuar à frente do governo regional.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.