PP ameaça emendar orçamento no Senado

Declarações de vice-secretária nacional do PP entendidas como ameaça de castigo ao PNV por ter apoiado moção de Sánchez

O Partido Popular fez ontem saber que tenciona apresentar emendas ao Orçamento do Estado, que esta semana começa a ser discutido no Senado espanhol (onde os populares têm maioria absoluta). "Tendo em conta a maioria absoluta no Senado o grupo dos populares introduzirá as emendas que considere melhores para o texto", declarou ontem a vice-secretária nacional de Estudos e Programas do PP. Andrea Levy Soler falava em declarações aos jornalistas na sede nacional do PP em Madrid.

Trata-se do mesmo orçamento que o PP aprovou no Parlamento, com o apoio dos conservadores do Partido Nacionalista Basco (PNV), antes de Mariano Rajoy ter sido afastado do poder através da moção de censura apresentada pelo PSOE de Pedro Sánchez. Esta foi aprovada com o apoio do Podemos e vários partidos regionais, entre os quais está, precisamente, o PNV. Daí que muitos estejam a ler as declarações de Andrea Levy Soler como uma ameaça de castigo aos conservadores bascos.

Na proposta de orçamento que foi aprovada no Parlamento espanhol está destinada a quantia de 540 milhões de euros para investimentos no País Basco. Esta foi a contrapartida obtida pelo PNV de Andoni Ortuzar para 2018 graças ao apoio ao governo de Rajoy.

"Espero que por um mínimo de responsabilidade da parte de quem confeccionou o orçamento as partes importantes sejam respeitadas", declarou, citado pelo El País, o líder da bancada parlamentar dos socialistas bascos José Antonio Pastor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.