PP ameaça emendar orçamento no Senado

Declarações de vice-secretária nacional do PP entendidas como ameaça de castigo ao PNV por ter apoiado moção de Sánchez

O Partido Popular fez ontem saber que tenciona apresentar emendas ao Orçamento do Estado, que esta semana começa a ser discutido no Senado espanhol (onde os populares têm maioria absoluta). "Tendo em conta a maioria absoluta no Senado o grupo dos populares introduzirá as emendas que considere melhores para o texto", declarou ontem a vice-secretária nacional de Estudos e Programas do PP. Andrea Levy Soler falava em declarações aos jornalistas na sede nacional do PP em Madrid.

Trata-se do mesmo orçamento que o PP aprovou no Parlamento, com o apoio dos conservadores do Partido Nacionalista Basco (PNV), antes de Mariano Rajoy ter sido afastado do poder através da moção de censura apresentada pelo PSOE de Pedro Sánchez. Esta foi aprovada com o apoio do Podemos e vários partidos regionais, entre os quais está, precisamente, o PNV. Daí que muitos estejam a ler as declarações de Andrea Levy Soler como uma ameaça de castigo aos conservadores bascos.

Na proposta de orçamento que foi aprovada no Parlamento espanhol está destinada a quantia de 540 milhões de euros para investimentos no País Basco. Esta foi a contrapartida obtida pelo PNV de Andoni Ortuzar para 2018 graças ao apoio ao governo de Rajoy.

"Espero que por um mínimo de responsabilidade da parte de quem confeccionou o orçamento as partes importantes sejam respeitadas", declarou, citado pelo El País, o líder da bancada parlamentar dos socialistas bascos José Antonio Pastor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.