PP ameaça emendar orçamento no Senado

Declarações de vice-secretária nacional do PP entendidas como ameaça de castigo ao PNV por ter apoiado moção de Sánchez

O Partido Popular fez ontem saber que tenciona apresentar emendas ao Orçamento do Estado, que esta semana começa a ser discutido no Senado espanhol (onde os populares têm maioria absoluta). "Tendo em conta a maioria absoluta no Senado o grupo dos populares introduzirá as emendas que considere melhores para o texto", declarou ontem a vice-secretária nacional de Estudos e Programas do PP. Andrea Levy Soler falava em declarações aos jornalistas na sede nacional do PP em Madrid.

Trata-se do mesmo orçamento que o PP aprovou no Parlamento, com o apoio dos conservadores do Partido Nacionalista Basco (PNV), antes de Mariano Rajoy ter sido afastado do poder através da moção de censura apresentada pelo PSOE de Pedro Sánchez. Esta foi aprovada com o apoio do Podemos e vários partidos regionais, entre os quais está, precisamente, o PNV. Daí que muitos estejam a ler as declarações de Andrea Levy Soler como uma ameaça de castigo aos conservadores bascos.

Na proposta de orçamento que foi aprovada no Parlamento espanhol está destinada a quantia de 540 milhões de euros para investimentos no País Basco. Esta foi a contrapartida obtida pelo PNV de Andoni Ortuzar para 2018 graças ao apoio ao governo de Rajoy.

"Espero que por um mínimo de responsabilidade da parte de quem confeccionou o orçamento as partes importantes sejam respeitadas", declarou, citado pelo El País, o líder da bancada parlamentar dos socialistas bascos José Antonio Pastor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.