Portugueses retirados das ilhas indonésias já estão em Bali

Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas adianta que foi prestado apoio logístico às duas dezenas de cidadãos lusos por parte do encarregado da secção consular da Embaixada de Portugal em Jacarta.

A Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas informou nesta terça-feira, em nota enviada ao DN, que "a retirada das duas dezenas de cidadãos portugueses de Gili e de Lombok ocorreu, como previsto, em embarcações disponibilizadas pelas autoridades indonésias".

Segundo o gabinete governamental, "à chegada a Bali foi prestado apoio logístico a turistas portugueses por parte do encarregado da secção consular da Embaixada de Portugal em Jacarta".

No portal das Comunidades das Portuguesas, é recomendado a "todos os nacionais que estejam ali de passagem ou nas proximidades do epicentro, que sigam as recomendações das autoridades locais e das unidades hoteleiras onde estejam alojados" e que se informem de fontes oficiais, como as contas de Twitter "@infoBMKG e @BNPB_indonesia". "Qualquer viagem planeada para a região deve ter em consideração os constrangimentos inerentes ao ocorrido numa zona de habitual atividade sísmica", pode igualmente ler-se.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.