Portugueses aconselhados a evitar "deslocações desnecessárias" a Paris

Ministério dos Negócios Estrangeiros emitiu um alerta sobre a manifestação dos "coletes amarelos" marcada para sábado.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros aconselha os portugueses a "evitar deslocações não necessárias a Paris" no sábado, dia de nova ação de protesto dos "coletes amarelos". O alerta foi lançado nesta sexta-feira, através de um comunicado no site do Portal das Comunidades Portuguesas.

Segundo o alerta do Ministério dos Negócios Estrangeiros, são de evitar as zonas dos "Campos Elísios/Arco do Triunfo, Bastilha, République, Opéra/Grands Magasins (onde se situam as Galerias Lafayette e outras), Assembleia Nacional (perto do Museu d"Orsay), Senado (Jardins do Luxemburgo) e Denfert-Rochereau". Todos estes locais foram palco de confrontos noutras manifestações dos "coletes amarelos", sendo que a última fez centenas de feridos.

O Portal das Comunidades Portuguesas aconselha ainda os viajantes a manterem-se informados sobre a situação na capital francesa. "A Mairie [Câmara Municipal] de Paris anunciou que vai divulgar, através de redes sociais e dos vários painéis informativos espalhados pela cidade, informação sobre zonas a evitar", informa o comunicado.

O conselho das autoridades portuguesas acontece depois de o governo francês e autoridades ter tomado e parisienses terem decidido fechar monumentos ao público e cancelado jogos de futebol na capital francesa, como foi o caso do jogo entre o Paris Saint-German e o Montpellier da liga francesa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?