Portuguesa eleita para mudar área da água e saneamento no mundo

Catarina Albuquerque quer "chegar a 2030 e garantir que não existe ninguém à face da Terra sem acesso a água e saneamento de qualidade e com dignidade"

A portuguesa Catarina Albuquerque vai presidir a partir de setembro à parceria da ONU "Água e Saneamento para Todos" e ambiciona mudar a realidade do mundo até 2030.

Com mais financiamento e melhor uso do dinheiro, Catarina Albuquerque quer "chegar a 2030 e garantir que não existe ninguém à face da Terra sem acesso a água e saneamento de qualidade e com dignidade", disse esta quarta-feira em entrevista à Lusa.

A responsável assume a presidência da parceria a 03 de setembro, no que será um dos mais altos cargos ocupado alguma vez por um português na UNICEF (há cerca de duas décadas outra portuguesa ocupou um cargo num patamar idêntico).

Catarina Albuquerque já estava ligada à parceria das Nações Unidas "Sanitation and Water for All", para a qual tinha sido convidada há três anos para diretora executiva, depois de ter sido a primeira relatora especial da ONU para a defesa do direito à água potável e ao saneamento. Pela sua mão as Nações Unidas reconheceram a água e o saneamento como direitos universais.

Agora, vai assumir o cargo de presidente do Conselho de Administração, para o qual concorreram mais 200 pessoas. A parceria também evoluiu nos últimos anos, com o dobro de parceiros, entre países e doadores, e o dobro do orçamento.

É por isso que, afirmou, vai ter mais responsabilidades na iniciativa da ONU, criada para dar mais visibilidade política ao tema da água e saneamento e congregar vontades e compromissos mundiais.

"O principal desafio é traduzir estas boas vontades e estes compromissos num impacto real a nível nacional. A minha aposta é conseguir que em cada país que seja nosso parceiro haja alianças entre governos, doadores e privados", para se "definirem políticas, para cada um saber o que quer", o que vai fazer, como vai conseguir eliminar desigualdades e como vai chegar "às populações mais marginalizadas", disse.

O financiamento é também, acrescentou, um duplo problema, porque à falta de dinheiro junta-se "o mau uso do dinheiro existente".

"Um dos objetivos é conseguir aumentar o financiamento para o setor, a nível nacional, regional e global. E que o dinheiro que existe seja melhor gasto, que não seja gasto por impulso" mas que seja investido de maneira planeada, para garantir a sustentabilidade desses investimentos. "Há países que têm feito empréstimos, que têm sido ruinosos para a economia, para construir sistemas na área da água e saneamento que são insustentáveis".

Catarina Albuquerque sabe que há mais pessoas sem acesso a água em países não ocidentais, dá o exemplo da China ou da Índia, dá o exemplo de África, mas garante que todos os países do mundo a preocupam.

"Preocupam-me os sem-abrigo em Lisboa, as comunidades ciganas na Europa de leste, os requerentes de asilo e refugiados" em toda a parte. "Todos os países têm um esforço a desenvolver e não há nenhum que possa dizer ´eu consegui garantir água e saneamento para todas as pessoas que vivem no meu país`", disse.

A parceria da ONU junta países desenvolvidos e em desenvolvimento, doadores, agências multilaterais e sociedade civil.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.