Português da Guarda concorre ao Congresso dos Estados Unidos

"Santos ao Congresso" é o slogan do português que nasceu na Guarda e é o candidato do Partido Republicano à Câmara dos Representantes pelo estado de Connecticut.

Chama-se Manny (Manuel) Santos e entrou para a política ativa ao ser eleito para presidente da câmara de Meriden, no estado norte-americano de Connecticut. Esta terça-feira, os republicanos escolheram-no para as eleições de 6 de novembro e, se ganhar, será o primeiro luso-americano nascido em Portugal na Câmara dos Representantes.

Atualmente há três congressistas lusodescendentes, mas todos nasceram nos Estados Unidos. São eles Devin Nunes e David Valadao (republicanos) e Jim Costa (democratas), todos do estado da Califórnia.

"Os mais de 700 mil habitantes do distrito eleitoral 5 no estado norte-americano de Connecticut vão poder votar em novembro por um candidato com nome (e ADN) português", anuncia Manny Santos na sua candidatura, apresentando-se como alternativa de direita à atual ocupante do cargo, a democrata Elizabeth Esty.

"Nascido numa casa sem água corrente e eletricidade, Manny é uma história de sucesso americana. Cresceu numa das cidades mais pobres da América, onda ainda vive, entende o que aflige as comunidades urbanas e sabe como resolver os seus problemas", assim se apresenta ao eleitorado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.