Português com doença contagiosa usou lençóis para descer quatro andares e fugir de hospital

Homem de 50 anos sofre de doença contagiosa e está detido em Madrid. Conseguiu fugir durante a noite mas foi capturado no dia seguinte

Um homem português, que se encontrava detido, conseguiu fugir de um hospital espanhol ao amarrar vários lençóis para descer, pelo exterior, os quatro andares da unidade de saúde de Madrid. O indivíduo de 50 anos padece de uma doença contagiosa e, sob custódia policial, estava no hospital Gregorio Marañón para se submeter a um tratamento. A fuga ocorreu na quarta-feira e o homem foi capturado no dia seguinte, informou a polícia espanhola.

A fuga ocorreu por volta da uma hora da madrugada, com o homem a sair por uma janela do quarto, situado no quarto andar do hospital onde estava internado para uma intervenção cirúrgica. Estava sob detenção, por crimes não especificados pelas autoridades, e teria um polícia à porta do quarto.

Terá sido por isso que planeou escapar, recorrendo a um truque já conhecido. Entrelaçou vários lençóis do hospital, molhados para ganhar peso e não quebrarem quando descesse, como aconteceu.

Foi novamente detido na quinta-feira quando foi encontrado por volta das 18.00 em Madrid. Foi novamente colocado no mesmo hospital, onde permanece sob custódia policial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.