Portugal apresenta relatório nas Nações Unidas

Aprovada em 2015 pelos 193 países da ONU, a Agenda 2030 define 17 objetivos genéricos para o desenvolvimento sustentável

Teresa Ribeiro, secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, fará nesta terça-feira, em Nova Iorque, na Assembleia Geral das Nações Unidas, a apresentação do primeiro relatório voluntário português relativo à Agenda 2030. "Quisemos mostrar o nosso compromisso e sinalizar a visão do governo para o país", explica a governante.

A acompanhar a apresentação será emitido um vídeo de três minutos (leia mais aqui) que reproduzimos em baixo:

A Agenda 2030 foi definida em setembro de 2015 pelos 193 Estados membros da ONU. Por unanimidade, as nações definiram 17 objetivos e 169 metas para o desenvolvimento sustentável. De entre esses 17 objetivos, Portugal escolheu seis como prioridades: educação de qualidade; igualdade de género; indústria, inovação e infraestruturas; redução das desigualdades; ação climática e proteção da vida marinha. "Essa escolha teve que ver com a visão que Portugal tem para o seu futuro, com as áreas onde entendemos que é prioritário investir para atingir os compromissos da Agenda 2030", explica Teresa Ribeiro ao DN.

Num momento em que o secretário-geral da ONU é português, a secretária de Estado sublinha que a decisão de apresentar o primeiro relatório voluntário ainda numa fase precoce do calendário da Agenda teve também um objetivo interno: "Obrigar-nos a começar a trabalhar afincadamente na Agenda."

Os 17 objetivos - que se subdividem em 169 metas - serão avaliados com recurso a 230 indicadores estatísticos, muitos deles ainda em fase de estabilização. O Instituto Nacional de Estatística, explica Teresa Ribeiro, encontra-se em permanência em Nova Iorque a trabalhar com outras entidades na afinação destes indicadores.

Na quinta-feira, a secretária de Estado e o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, estarão em Brasília para a reunião ordinária dos ministros da CPLP. Sob a presidência brasileira, a reunião centra-se nos "avanços e desafios" da Agenda 2030.

"Existe um paralelismo claro entre a agenda do desenvolvimento sustentável e a da sustentação da paz", defende António Guterres, secretário-geral da ONU, que define a Agenda 2030 como a agenda de sustentação da paz.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.