Portugal acompanha "ao minuto" a situação da violência na Venezuela

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, afirmou hoje que Portugal está "a acompanhar ao minuto" a evolução do clima de violência na Venezuela, manifestando o desejo que de esta "não represente uma escalada".

"Estamos a acompanhar ao minuto e o nosso desejo é que não represente nenhuma escalada [de violência], porque o nível de dificuldades que a Venezuela vive hoje é já suficientemente grave para [que existam] mais escaladas. É necessária uma solução política, porque só as soluções políticas resolvem problemas políticos", disse hoje o chefe da diplomacia portuguesa.

O Governo da Venezuela afirmou hoje que foram disparados 15 tiros contra o Ministério do Interior e lançadas quatro granadas contra o Supremo Tribunal durante um ataque, na terça-feira, a partir de um helicóptero tomado por um polícia.

Não foram registados feridos na sequência do incidente, descrito como um "ataque terrorista" pelo Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

O governo venezuelano explicou que o helicóptero foi furtado de uma base militar por Óscar Pérez, um inspetor da polícia científica.

Santos Silva, que falava hoje à margem da assinatura de um protocolo no Ministério dos Negócios Estrangeiros, reiterou que "continuam válidas as orientações aprovadas no último conselho de MNE da União Europeia" sobre a Venezuela.

Estas orientações, enumerou o ministro português, "chamam todas as partes a um diálogo inclusivo, à necessidade de todas repudiarem quaisquer atos de violência e à necessidade de se criar condições políticas para que o calendário na Venezuela seja finalmente cumprido".

Questionado sobre se o Governo português tinha chamado o embaixador venezuelano para receber informações adicionais sobre os mais recentes acontecimentos na Venezuela, Santos Silva disse que a situação ainda não o justifica.

"Não. Ainda não é caso disso. O embaixador é um grande amigo de Portugal. Temos um contacto muito regular e muito fácil com a embaixada da Venezuela em Lisboa e com as autoridades venezuelanas", disse o MNE português.

Santos Silva deu como exemplo da "boa comunicação" o facto de o vice-ministro venezuelano para a Europa ter contactado a embaixada portuguesa em Caracas a disponibilizar o apoio do governo venezuelano para a reconstrução de estabelecimentos comerciais e industriais de portugueses saqueados na noite de segunda para terça-feira, na sequência de "distúrbios graves numa cidade a cerca de 200 quilómetros de Caracas".

"Portanto mantemos um contacto com as autoridades venezuelanas, como é o nosso dever", reforçou o ministro.

O chefe da diplomacia portuguesa - com a tutela das comunidades portuguesas no exterior - recordou que em incidentes anteriores do mesmo género, nomeadamente na cidade venezuelana de Valência (Estado do Carabobo), "o governo venezuelano comunicou a aprovação de uma linha de crédito na ordem dos 5 milhões de euros para a reconstrução".

"Quantos aos distúrbios de anteontem o que foi sinalizado é que governo venezuelano estaria disponível para criar um outro apoio específico semelhante ao que foi criado para o caso de Valência", concluiu Santos Silva.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.