Ilha de Porto Rico ficou sem eletricidade

Apenas um morto confirmado naquela ilha das Caraíbas

O furacão Irma deixou a ilha de Porto Rico, nas Caraíbas, sem eletricidade, e as pessoas foram aconselhadas a não saírem das suas casas entre as 18.00 e as 6.00.

Abner Gómez, responsável pelo controlo de danos no país, revelou que "nenhum cliente" da rede elétrica nacional tem eletricidade e que os estragos serão elevados.

"Quando pudermos sair às ruas, com toda a certeza que iremos encontrar a nossa ilha destruída. O furacão destruiu tudo no seu caminho. As pessoas não têm eletricidade, está tudo a estragar-se, é uma catástrofe", referiu Gómez.

Refira-se que até ao momento apenas uma morte foi confirmada em Porto Rico.

Entretanto, o furacão Maria voltou a atingir a intensidade três, de um máximo de cinco, ao aproximar-se do extremo oriental da República Dominicana, com ventos de 185 quilómetros por hora, informou o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.