Porto Rico reconhece que furacão 'Maria' provocou mais de 1400 mortos

As autoridades de Porto Rico reconheceram hoje que a passagem do furacão Maria, em 2017, provocou a morte de mais de 1400 pessoas e não as 64 anunciadas então oficialmente.

O novo balanço consta de um relatório enviado pelo governo porto-riquenho ao Congresso dos Estados Unidos, sem qualquer publicidade e em que detalha um plano de reconstrução orçado em 139 mil milhões de dólares (120 mil milhões de euros), e hoje reportado pelo jornal The New York Times.

Em maio passado, um estudo da Universidade de Harvard avançava com um número de mortos ainda mais elevado: 4600. De acordo com os investigadores, um terço das mortes após o furacão que assolou o arquipélago em setembro de 2017 teve origem nas interrupções dos cuidados médicos causados ​pela falta de energia - uma situação que se prolonga até hoje - bem como no corte das ligações rodoviárias. O mesmo estudo aponta um aumento de 60% na mortalidade nos três meses após a tempestade.

Depois disso, fontes do governo de Porto Rico reconheceram que provavelmente mais de 64 pessoas morreram devido ao furacão, cujos efeitos fizeram colapsar o abastecimento de eletricidade e provocou grandes inundações, cortando a circulação em muitas vias de comunicação e deixando as estradas intransitáveis.

O número exato de vítimas da passagem do furacão está em debate e o governo de San Juan pretende encerrar a polémica com a divulgação, dentro de semanas, de um relatório encomendado a especialistas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.