Porsche suspende vendas do Panamera devido a risco de acidente

Em causa está uma peça na suspensão traseira que se pode soltar e/ou partir

A Porsche suspendeu as vendas do modelo Panamera, produzido na Europa e vendido nos EUA por ter sido detetado um defeito numa peça na suspensão traseira com probabilidades de se soltar, partir e perturbar o funcionamento da suspensão posterior, o que pode provocar acidentes.

O fabricante de automóveis alemão reconheceu a existência de 715 unidades afetadas do novo Panamera, destinadas aos Estados Unidos e a Porto Rico.

Em causa está um tirante metálico da barra estabilizadora que, estando sujeita a um esforço considerável, tem risco de se partir a qualquer momento. Se assim for, a peça defeituosa pode interferir com as restantes que fazem funcionar o eixo posterior e dar origem a graves consequências.

Para minorar o problema, os concessionários vão proceder à substituição do tirante da barra estabilizadora com defeito, sendo os proprietários avisados para essa necessidade.

A legislação determina a obrigação dos fabricantes em informarem de imediato o mercado e as autoridades sempre que detetem alguma anomalia que comprometa a segurança.

Segundo informação citada pelo Autoevolution, a Porsche vai suspender a comercialização do Panamera até aviso em contrário, sem divulgar o número de unidades com defeito que, apesar de ainda não terem sido comercializadas, encontram-se em stock.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.